Assange vê 'portas abertas' para resolver impasse em Londres

O fundador do WikiLeaks, Julian Assange, disse na quinta-feira que "a porta está aberta" para negociações que o permitam deixar a embaixada do Equador em Londres, onde está refugiado há seis meses para evitar uma extradição para a Suécia, onde é suspeito de crimes sexuais.

Reuters

20 Dezembro 2012 | 22h06

O ex-hacker de 41 anos fez um pronunciamento numa sacada no andar térreo da embaixada, na sua primeira aparição pública em vários meses. A Grã-Bretanha diz que irá prender Assange se ele deixar o edifício diplomático, que possui imunidade.

" se tornou meu lar, meu escritório e meu refúgio", disse ele, que prometeu manter o trabalho do WikiLeaks na divulgação de mais 1 milhão de arquivos sigilosos.

A atividade do site - inclusive na revelação de segredos diplomáticos e militares - irritou o governo norte-americano, e Assange diz que o pedido de extradição da Suécia é apenas um pretexto para que ele possa posteriormente ser enviado para os EUA e julgado.

(Por Dasha Afanasieva)

Mais conteúdo sobre:
GRABRETANHA ASSANGE ASILO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.