Assistente parlamentar trabalha em seu restaurante

HISTÓRIAS REAIS

Leandro Colon, O Estadao de S.Paulo

30 Outubro 2009 | 00h00

Na tarde de ontem, durante horário de expediente do Senado, a funcionária Wanda de França Avelino comandava seu restaurante Toscana, no Shopping Riverside, no bairro Jockey Clube, em Teresina. No escritório do senador João Vicente Claudino (PTB-PI), na capital do Estado, foi passada a informação de que ela não trabalhava para o parlamentar. No gabinete em Brasília, a mesma informação. "Deve ter sido engano", disse a telefonista.

Wanda foi nomeada em abril de 2007 como assistente parlamentar com o salário de R$ 1,7 mil. Foi ela própria quem atendeu ao telefonema do Estado no restaurante, conhecido pela comida italiana.

Questionada sobre o recadastramento do Senado, ela informou que "perdeu a vez de fazer". Afirmou que faz "pesquisas políticas" para o senador e reagiu com irritação ao ser informada de que era desconhecida no escritório de João Claudino. "Isso é problema deles", afirmou. Logo depois, negou-se a dar mais detalhes de sua atividade como servidora de confiança do Senado. "Não tenho que dar mais informações", disse.

Na tarde de ontem, a reportagem procurou João Claudino. Seu chefe de gabinete, Olavo Ribeiro Filho, disse que o senador estava incomunicável em viagem pelo interior do Piauí. Questionado sobre a ausência da servidora Wanda Avelino no recadastramento, ele alegou que houve problemas técnicos. Negou que a funcionária seja fantasma. Afirmou ainda que ela não trabalha em restaurante.

"Essa informação que lhe passaram está errada. Ela nunca trabalhou em restaurante. Ela nem mora na capital. Estuda e trabalha com o senador e viaja para o interior no final de semana", afirmou, contrariando depoimento da própria Wanda.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.