Astronautas descarregam Discovery na ISS

Sexta-feira foi o dia da mudança para a equipe do Discovery, que planejou descarregar milhares de quilos de suprimentos e carga do ônibus espacial para a Estação Espacial Internacional (ISS). E houve uma boa notícia: Os astronautas ganharam mais um dia no espaço.Os astronautas também usaram seu tripé de inspeção para analisar seis áreas questionáveis no sistema de proteção termal do ônibus espacial. O diretor de vôo Tony Ceccacci disse que os engenheiros queriam mais panoramas dessas áreas para determinar se há algum dano sério e alguma necessidade de reparos.Em uma coletiva de imprensa, Ceccacci disse que o Discovery tem combustível suficiente para ficar mais um dia, dando espaço para uma caminhada espacial extra para a prática de reparos na proteção termal. Isso estica a viagem para 13 dias.Os astronautas moveram um enorme contêiner, apelidado de Leonardo, para a ISS por um braço robótico. Entre os itens que esperavam pela equipe da estação estavam uma nova bicicleta ergométrica para exercícios, um gerador de oxigênio que permitirá eventualmente que a estação suporte seis habitantes, uma máquina que resfria o ar da cabine da estação e um freezer de laboratório para amostras científicas."Divirtam-se colocando um novo cômodo na estação hoje - um closet flutuante, todo lar precisa de um", escreveram os controladores de vôo em Houston para a equipe do Discovery na mensagem eletrônica diária.Descarregar itens a 354 quilômetros acima da Terra foi mais difícil do que mudar-se para uma casa pois pelo menos há gravidade no solo, de acordo com Steve Lindsey, comandante do ônibus espacial."É realmente um desafio pois você está em gravidade zero e tem que ir muito, muito devagar porque, se for rápido, você apressa as coisas e bate em outro equipamento", disse Lindsey. "è um tipo de coreografia interessante que temos que realizar".Um terceiro membro da equipe acordou na ISS pela primeira vez em três anos. O astronauta da Agência Espacial Européia Thomas Reiter se juntou aos outros dois membros da tripulação da estação, o russo PavelVingogradov e o americano Jeff Williams, que comemoraram seu centésimo dia na estação espacial nesta sexta.As astronautas Lisa Nowak e Stephanie Wilson usaram nesta tarde o braço robótico do ônibus espacial e um tripé estendido para tirar fotos de perto de áreas na parte debaixo da nave das quais os engenheiros precisam de mais informações para se reassegurarem de que não há nenhum dano do tipo que causou a explosão do Columbia em 2003."Nós temos um par de problemas realmente pequenos", disse o piloto MarkKelly. "não são significativos o suficiente para serem chamados de incômodos".O tripé vai analisar o nariz do ônibus espacial, que escapou das fotografias anteriores e pode ter algumas titicas de passarinho nele, e três lugares em que o material que preenche as lacunas entre as telhas termais - para prevenir que elas se encostem - está descolando, incluindo uma saliência de 2,54 centímetros. Dois pedaços deste material tiveram que ser removidos do ventre do Discovery durante uma caminhada espacial no ano passado por causa de temores de que eles poderiam causar problemas durante a reentrada da nave na atmosfera.Os engenheiros também queriam olhar um pedaço da asa direita onde parece haver uma mancha preta na forma de uma garra e outro em que há dois arranhões.O braço robótico e o tripé foram usados há dois dias para examinar as asas e o do ônibus à procura de danos. Antes de acoplar-se à ISS na quinta-feira, o comandante do Discovery Steve Lindsey manobrou o ônibus de maneira que a equipe da estação espacial pudesse fotografar o ventre da nave e transmitir as imagens aos engenheiros em Houston.Os controladores de vôo avisaram a equipe do Discovery que o ônibus espacial, enquanto acoplado à estação, não poderia utilizar um propulsor do qual o aquecedor não funcionou pois sua temperatura poderia cair para 15ºC, cerca de 17ºC abaixo do limite de uso.Os sete astronautas do Columbia morreram durante a reentrada da nave na atmosfera terrestre, quando gases inflamáveis passaram por uma rachadura na asa do ônibus espacial. A rachadura foi causada pelo impacto com a espuma de isolamento que havia se soltado do tanque externo da nave.Matéria alterada às 16h48 para acréscimo de informações

Agencia Estado,

07 de julho de 2006 | 12h11

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.