Astrônomos dizem ter visto luz dos primórdios do universo

Usando a gravidade para focalizar a luz, cientistas crêem ter captado o brilho de algumas das primeiras estrelas

Associated Press

12 Julho 2007 | 14h18

Cientistas acreditam ter vislumbrado a luz de algumas das primeiras estrelas do universo, através do maior telescópio da Terra, no Havaí. A equipe de astronomia do instituto te Tecnologia da Califórnia, que divulgou seus resultados na quarta-feira, 11, diz ter usado o telescópio Keck 2, no topo do vulcão Mauna Kea, para ver estrelas que existiam a 13 bilhões de anos, ou 500 milhões de anos após o início do universo. "Detectamos seis galáxias formadoras de estrelas, muito tênues", disse o estudante Dan Stark ao jornal Hawaii Tribune-Herald. "Estimamos que a radiação gerada por essa população poderia ter sido suficiente para quebrar os átomos de hidrogênio presentes no espaço nessa época, pondo fim à Idade das Trevas", período anterior à formação das estrelas. Os astrônomos dizem ter conseguido levar o telescópio ao limite de sua capacidade valendo-se de lentes gravitacionais. O líder da equipe, Richard Ellis, explica que a técnica consiste em ampliar a capacidade de magnificação do telescópio focalizando um objeto grande em primeiro plano e olhando para o espaço além ao longo das bordas. A distorção da luz provocada pela presença da grande massa no primeiro plano cria uma lente natural. Nesse caso, os pesquisadores usaram um aglomerado de galáxias para obter o efeito.

Mais conteúdo sobre:
galáxia lente gravitacional universo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.