Ataque aéreo queniano em acampamento na Somália mata 5, diz ONG

Um ataque aéreo do Quênia no domingo matou cinco pessoas e deixou outras 45 feridas, na maioria mulheres e crianças, em um acampamento na Somália que abriga desabrigados pela seca e pela violência, disse a agência de ajuda humanitária Médicos Sem Fronteiras (MSF).

REUTERS

31 de outubro de 2011 | 09h33

Um porta-voz militar do Quênia confirmou no domingo que seus jatos atingiram a cidade de Jilib, onde está localizado o acampamento de pessoas deslocadas de suas regiões por causa da seca e violência. A fonte disse que dez insurgentes do grupo Al Shabaab foram mortos, mas negou as informações de que civis estariam entre as vítimas, alegando ser propaganda do Al Shabaab.

"Posso confirmar cinco mortos e 45 feridos", disse à Reuters Gautam Chatterjee, chefe da Missão do MSF-Holanda na Somália. "Em nossos hospitais em Marare, recebemos 31 crianças, nove mulheres e cinco homens. Todos tinham feridas de estilhaços de bomba."

O Quênia enviou suas tropas para a Somália em meados de outubro em busca de insurgentes somalis que o país culpa por uma série de sequestros em território queniano e ataques frequentes contra as forças de segurança na Província do Nordeste, que faz fronteira com a Somália.

O primeiro grave confronto entre tropas do Quênia e insurgentes da Al Shabaab, ligada à Al Qaeda, ocorreu na última quinta-feira. Segundo o Quênia, suas forças mataram nove rebeldes, enquanto um de seus soldados morreu depois de ser ferido em uma emboscada insurgente.

Chatterjee, do MSF, disse que três crianças, um homem e uma mulher morreram no bombardeio aéreo. As informações eram de funcionários da entidade que estão trabalhando no acampamento, que abriga 1.500 famílias.

Chatterjee não quis comentar sobre o fato de que o Exército queniano havia negado a ocorrência de vítimas civis em Jilib, dizendo que poderia dar detalhes apenas de pacientes recebidos pelo MSF para tratamento.

Ele afirmou que o MSF retirou sua equipe de Jilib após o incidente e que uma distribuição de mantimentos planejada para esta segunda-feira foi adiada.

Mais conteúdo sobre:
SOMALIAATAQUEREFUGIADOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.