Ataque com carro-bomba mata 17 na Síria

Governo chama atentado que deixou ao menos 14 feridos de 'ato terrorista'

Da BBC Brasil, BBC

27 de setembro de 2008 | 07h24

Pelo menos 17 pessoas foram mortas na explosão de um carro-bomba em Damasco, na Síria, segundo autoridades do país. Outras 14 pessoas, entre elas crianças, ficaram feridas. Um porta-voz do Ministério da Informação disse à BBC que o número de feridos deve aumentar.   Veja também: Diário do Oriente Médio: radicais sunitas ou Hezbollah podem estar por trás de ataqueSegundo informações da televisão síria Dunia, a explosão aconteceu na principal estrada que liga a capital ao aeroporto da cidade. O veículo estava carregado com 200 quilos de explosivos. Autoridades estão investigando o que chamaram de "ato terrorista" e, de acordo com o ministério da Informação, ainda é cedo para "apontar os responsáveis". "Não podemos acusar ninguém. As investigações que estão em andamento nos levarão aos culpados", disse o ministro do Interior, Bassam Abdul-Majid. Forças de segurança isolaram a área, que fica perto de um santuário xiita e um posto de controle. O santuário de Sayida Zeinab, no sul da capital, é freqüentado por peregrinos iraquianos, iranianos e libaneses. Segundo a correspondente da BBC em Beirute Natalia Antelava, ataques com carro-bomba são raros na Síria e o atentado vai incomodar o governo sírio, "orgulhoso de sua estabilidade". Acredita-se que este seja o primeiro incidente desta natureza desde que um líder do Hezbollah foi morto em fevereiro em um ataque com um carro-bomba. Em agosto, uma autoridade militar ligada ao presidente Bashar al-Assad foi morta em um resort perto da cidade portuária de Tartus. Isolamento diplomático A Síria vem sofrendo isolamento diplomático desde o assassinato do ex-primeiro-ministro libanês Rafik Hariri, em 2005. Críticos do governo sírio o acusaram pelo assassinato, o que sempre foi negado pelas autoridades em Damasco. No início deste mês, a Síria engajou-se em um diálogo com a Turquia, Qatar e França, que ocupa a presidência rotativa da União Européia, para tentar impulsionar esforços para um plano de paz no Oriente Médio. O presidente Al-Assad disse esperar que o encontro forme a base para inaugurar diálogos diretos entre seu país e Israel. A Síria permanece em estado de guerra com Israel desde que o país foi criado, em 1948. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.