Ataque suicida contra embaixada mata 41 em Cabul

Carro-bomba explodiu na entrada da embaixada indiana; mais de 140 estão feridos.

Da BBC Brasil, BBC

07 de julho de 2008 | 05h42

Um atentado suicida na entrada da embaixada da Índia em Cabul, no Afeganistão, deixou pelo menos 41 mortos e mais de 140 feridos nesta segunda-feira.De acordo com os primeiros relatos, várias pessoas faziam filas em frente ao local para obter vistos quando um homem-bomba lançou um carro carregado com explosivos contra os portões da embaixada. Entre os mortos estão civis e forças de segurança. Dois carros da embaixada foram destruídos e vários prédios das redondezas ficaram danificados pela explosão.Abdul Raziq, que distribuía jornais perto da embaixada, disse à BBC ter "visto vidros despencando do prédio antes de a área ser cercada por ambulâncias".O correspondente da BBC em Cabul Martin Patience afirmou que até agora nenhum grupo assumiu a autoria do ataque.Ataque covardeAnalistas acreditam que a representação diplomática indiana tenha sido alvo do ataque por causa do estreito relacionamento da Índia com o Afeganistão. O governo indiano está financiando vários projetos de infra-estrutura no país.Em um comunicado, a Índia condenou o que chamou de ataque de "terroristas covardes". "Ataques como esse não vão nos deter de cumprir nossos compromissos com o governo e o povo afegão", disse um porta-voz do governo indiano. Este foi o pior atentado a atingir a capital afegã desde setembro do ano passado, quando um ônibus foi atacado, provocando a morte de 30 pessoas.Em abril, o presidente afegão, Hamid Karzai, sofreu uma tentativa de assassinato em Cabul e, no início do ano, militantes do grupo Talebã atacaram um hotel matando dezenas de pessoas.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
afeganistaobombaembaixadamortoscivis

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.