Ataques dos EUA ajudam curdos e Exército do Iraque a avançar contra Estado Islâmico

Forças curdo-iraquianas capturaram um estratégico cruzamento de fronteira e diversas vilas das mãos de combatentes do Estado Islâmico no norte do Iraque nesta terça-feira, angariando vitórias à medida que os militantes têm sido castigados por pesados ataques aéreos liderados pelos Estados Unidos.

ISABEL COLES E JONNY HOGG, REUTERS

30 Setembro 2014 | 11h21

Uma fonte política curdo-iraquiana disse que combatentes peshmergas curdos tomaram controle do cruzamento de fronteira de Rabia, porta de entrada para a Síria, em uma batalha que começou antes do amanhecer, num momento em que o Exército iraquiano avança pelo sul.

“É o ponto mais estratégico de cruzamento. Uma vez tomado, vai cortar a rota de abastecimento e tornar mais fácil a operação para chegar a Sinjar”, disse a fonte, referindo-se à montanha mais ao sul onde membros da minoria yazidi estão emboscados por combatentes do Estado Islâmico.

Doze corpos de combatentes do Estado Islâmico ficaram na fronteira após a batalha, disse Hemin Hawrami, chefe do departamento de Relações Exteriores do Partido Democrático Curdo, pelo Twitter.

A capacidade de cruzar a fronteira livremente tem sido uma grande vantagem tática para combatentes do Estado Islâmico em ambos os lados. Eles foram da Síria para o norte do Iraque em junho e voltaram com armamentos pesados após terem dominado forças do governo iraquiano, e têm utilizado essas armas para expandir seu território na Síria. 

Forças lideradas pelos EUA têm bombardeado alvos do Estado Islâmico no Iraque desde o fim de agosto e expandiram a campanha para a Síria na semana passada, em um esforço para derrotar os combatentes que tomaram territórios em áreas sunitas em ambos os países, matando prisioneiros, perseguindo curdos e ordenando que xittas e não muçulmanos se convertessem ou enfrentassem a morte.

Em duas guerras complexas e multilaterais, os combatentes sunitas estão enfrentando governos xiitas em ambos os países, grupos sunitas rivais na Síria e forças curdas separadas em vários lugares.

Os Estados Unidos esperam que os ataques, conduzidos junto a aliados europeus no Iraque e com forças aéreas árabes na Síria, ajudarão forças curdas e o governo do Iraque, além de sunitas moderados na Síria. 

No Iraque, uma coalizão entre o Exército iraquiano, milicianos xiitas e tropas curdas conhecidas como peshmergas têm lentamente recapturado vilas sunitas que caíram sob controle do Estado Islâmico ao sul da cidade curda de Kirkuk. 

“No amanhecer de hoje, em duas vilas perto de Daquq, a 40 quilômetros ao sul de Kirkuk, forças peshmergas as liberaram do Estado Islâmico”, disse um oficial iraquiano de segurança. 

(Reportagem adicional de Yara Bayoumy, Raheem Salman e Ned Parker, em Bagdá; e Oliver Holmes, em Beirute)

((Tradução Redação Rio de Janeiro; 55 21 2223-7128))

REUTERS PF 

Mais conteúdo sobre:
IRAQUECURDOSEUAESTADOISLAMICO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.