Ataques rebeldes matam nove soldados turcos

Ataque atribuído a curdos pode contribuir para incursão militar no norte do Iraque.

BBC Brasil, BBC

21 de outubro de 2007 | 08h10

Pelo menos nove soldados turcos foram mortos em ataques atribuídos a rebeldes separatistas curdos no sudoeste da Turquia, próximo à fronteira com o Iraque.Segundo informações da mídia turca, os nove militares foram alvo de uma emboscada de membros do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK, na sigla em curdo), grupo separatista banido na Turquia.Ataques recentes como este levaram o Parlamento turco a aprovar, nesta semana, uma autorização para que as Forças Armadas do país incursionem no norte do Iraque em busca de membros do PKK.No início deste mês, 13 militares morreram em outra emboscada.Os Estados Unidos e a União Européia pediram à Turquia que evite um conflito armado, para evitar o risco de desestabilizar ainda mais a região.O tema tem colocado em fileiras opostas líderes da região. Nesta semana, a Síria expressou apoio a uma possível ação militar turca, o que gerou uma resposta do presidente iraquiano, Jalal Talabani."Não posso tolerar esta séria violação de todos os limites", disse o presidente, um curdo, em uma entrevista à imprensa turca."O presidente sírio, assim como os americanos e europeus, poderia ter dito que entende as posições da Turquia, mas prefere uma solução pacífica".As autoridades em Ancara dizem que a ofensiva não é iminente, mas o governo está sob intensa pressão, tanto da opinião pública quanto das Forças Armadas, para pôr fim aos ataques curdos.Cerca de 3 mil rebeldes separatistas atuam na região, onde desde a primavera as Forças Armadas turcam realizam manobras militares.O PKK luta por autonomia no sudeste da Turquia desde 1984, resistindo em um conflito que já matou 30 mil pessoas.Turquia, Estados Unidos e União Européia consideram o grupo uma organização terrorista.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.