AFP
AFP

Ataques suicidas em Damasco deixam 55 mortos e 372 feridos

Líderes da oposição disseram que o plano de paz da ONU está morto; ocidente desmente

OLIVER HOLMES E MARIAM KAROUNY, REUTERS

10 Maio 2012 | 10h22

BEIRUTE - Duas grandes explosões causadas por suicidas em carros-bomba mataram 55 pessoas e feriram outras 372 em Damasco nesta quinta-feira, 10, informou a mídia estatal. O ataque é o pior na capital síria desde o início da revolta contra o presidente Bashar al Assad, há 14 meses.

Os ataques enfraqueceram ainda mais a trégua declarada pelo mediador internacional Kofi Annan no dia 12 de abril, que falhou em impedir o derramamento de sangue nos conflitos opondo as forças de segurança sírias a manifestantes pacíficos e insurgentes armados.

Líderes da oposição disseram que o plano de paz de Annan está morto, enquanto potências ocidentais insistiram que este permanece vigente.

O próprio Annan condenou as "abomináveis" explosões e exortou todos os envolvidos a acabar com a violência e proteger os civis. "O povo sírio já sofreu demais", afirmou em comunicado.

A TV síria culpou "terroristas" pelos ataques realizados durante a manhã, durante horário de grande movimentação na região. Carros ficaram destruídos em uma autoestrada e prédios oficiais utilizados pelo comando da repressão do governo aos protestos foram bastante danificados. Imagens da televisão mostraram carros retorcidos e queimados, alguns com restos humanos carbonizados.

Uma das explosões abriu uma cratera de 10 metros no solo e lançou destroços sobre uma vasta área. Corpos ensanguentados e partes de corpos podiam ser vistos na estrada.

Os ataques aconteceram um dia após uma bomba ter explodido perto de observadores da ONU que monitoram um cessar-fogo, que as duas partes do conflito são acusadas de desrespeitar, e duas semanas depois de as autoridades terem afirmado que um homem-bomba matou pelo menos nove pessoas em Damasco.

"Esse é mais um exemplo do sofrimento causado ao povo sírio pelos atos de violência", disse o general Robert Mood, chefe da missão de monitores da ONU, que visitou o local.

"Temos visto isso aqui em Damasco e também em outras cidades e vilarejos em todo o país... Peço a todos, dentro e fora da Síria, que ajudem a acabar com a violência."

Cerca de 9.000 pessoas foram mortas por forças de segurança sírias desde o início dos protestos contra Assad, segundo a ONU, e o governo sírio diz que insurgentes mataram 2.600 policiais e agentes de segurança.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.