Ataques terroristas matam 25 no Afeganistão

Atentados ocorrem um dia após a posse do presidente Hamid Karzai

AP, AFP E REUTERS, O Estadao de S.Paulo

21 de novembro de 2009 | 00h00

Um terrorista suicida pilotando uma motocicleta explodiu ontem uma bomba na cidade de Farah, no sudoeste do Afeganistão, matando 17 pessoas e ferindo dezenas. Em outros dois ataques - incluindo um atentado contra o deputado e senhor da guerra Rab Rasul Sayyaf, no qual seus cinco guarda-costas morreram -, mais 8 pessoas foram mortas.

A ofensiva terrorista, com saldo de 25 mortos, ocorreu um dia após o presidente afegão, Hamid Karzai, ter tomado posse para um segundo mandato, prometendo buscar a pacificação do país e tirar das forças estrangeiras o controle sobre a segurança. A violência no país chegou aos níveis mais altos desde o início da invasão liderada pelos Estados Unidos no fim de 2001. Apenas de janeiro a agosto, 1,5 mil civis morreram.

Segundo o governador da Província de Farah, Rohul Amin, o terrorista escolheu uma região lotada de pessoas para detonar a bomba. As autoridades acusam o Taleban e acreditam que o alvo do ataque era um comandante da polícia, que morreu ao lado de seu guarda-costas. Entre os mortos também havia duas crianças.

Um porta-voz taleban negou a autoria do atentado, o que não diminuiu as suspeitas do governo sobre o grupo. "Toda vez que há vítimas civis, os taleban negam sua responsabilidade", rebateu o governador.

No ataque contra o legislador Rab Rasul Sayyaf, o Taleban também é o principal suspeito. Acusado de crimes de guerra pela organização Human Rights Watch, Sayyaf foi líder da Aliança do Norte, grupo paramilitar que combate os insurgentes taleban.

Sayyaf viajava em comboio por uma estrada próxima a Cabul quando uma bomba ativada por controle remoto explodiu em seu caminho. O artefato estava escondido em um canal de irrigação.

No terceiro atentado do dia, três civis morreram também por causa da explosão de uma bomba na estrada em que viajavam, na Província de Khost, perto da fronteira com o Paquistão. Outras quatro pessoas ficaram feridas. Todas as vítimas eram da mesma família, informou a polícia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.