Ativistas pedem sacrifício de filhote de urso ´mimado´

Ativistas de direitos dos animais causaram polêmica na Alemanha ao exigir que um filhote de urso polar fosse sacrificado por estar "acostumado demais com seres humanos". O ursinho, batizado de Knut, nasceu no zoológico de Berlim há quatro meses, mas foi rejeitado por sua mãe logo depois do nascimento.Knut teve que ser alimentado com mamadeira pelos funcionários do zoológico, o que provocou a ira de ativistas ecológicos alemães, preocupados com o desenvolvimento do animal."A criação por seres humanos é ilegal e desrespeita a lei de proteção aos animais", disse o ativista alemão de direitos dos animais Frank Albrecht. Ele acrescentou que o urso vai ter problemas de comportamento durante toda a sua vida.Albrecht e o diretor de outro zoológico, o de Aachen, no oeste da Alemanha, chegaram a dizer que a melhor alternativa seria sacrificar o animal. Essa hipótese foi refutada pelo zoológico berlinense.O urso polar fica no máximo dois anos no zoológico de Berlim. Depois ele terá que se mudar para evitar brigas com os outros ursos do local.FamaCom a polêmica, o ursinho ganhou fama no país inteiro. Nesta terça-feira, 20, a manchete principal do Bild, jornal sensacionalista de maior tiragem na Alemanha, afirmava para o alívio da nação que "Knut pode continuar vivo".Todos os seus passos foram documentados pela câmera da televisão alemã RBB. As reportagens sobre o urso, que ainda não foi mostrado ao público no zoológico, foram vistas por milhões de telespectadores em toda a Alemanha.Knut já tem uma homepage própria, que conta sua história e inclui o "blog do Knut", assim como vídeo-podcasts.A partir do próximo sábado ele ganha um programa de TV próprio: "Knut, das Eisbärbaby" ("Knut, o urso polar bebê", em tradução livre) irá ao ar todos os sábados de manhã e será visto em toda a Alemanha no canal público ARD, um dos mais importantes do país.

Agencia Estado,

20 de março de 2007 | 15h04

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.