Ativistas protestam contra 'falência' da saúde em Assis

Manifestantes fincaram nesta quarta-feira 32 cruzes de madeira em frente ao prédio da prefeitura de Assis, no oeste de São Paulo, durante protesto. A manifestação, convocada por meio das redes sociais na internet, foi organizada pelo grupo Revolta Já. De acordo com os organizadores, as cruzes representam a falência do sistema de saúde na cidade.

JOSÉ MARIA TOMAZELA, Agência Estado

26 Junho 2013 | 19h29

O grupo caminhou até o local com faixas e cartazes. Os manifestantes reclamavam, principalmente, da precariedade do Pronto-Socorro Municipal. A Secretaria da Saúde da prefeitura anunciou que são realizados concursos públicos para suprir a falta de funcionários em alguns setores. A administração municipal vai inaugurar nos próximos meses uma unidade de pronto-atendimento para aliviar a procura pelo pronto-socorro.

Em Sorocaba, um grupo de manifestantes se reuniu na Rua Doutor Braguinha, centro do município, no movimento pelo Fora, Feliciano, que exige a saída do deputado Marco Feliciano (PSC-SP) da presidência da Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados. O grupo distribuiu panfletos e protestou contra a homofobia.

Novos protestos

Nesta quinta-feira, 27, o movimento Domínio Público e o Fórum Popular de Saúde de Sorocaba fazem ato pela tarifa zero no transporte, melhoria na saúde pública e contra os gastos da Copa. A concentração começa às 14 horas, na Praça do Canhão, e os manifestantes tomam as ruas do centro.

Em Ribeirão Preto, o PT e outros partidos de esquerda, como o PSTU e PC do B, e sindicatos ligados à Central Única dos Trabalhadores (CUT) convocam um protesto contra as tarifas de ônibus a ser realizado nesta quinta-feira, em conjunto com movimentos sociais, como o dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e o Pró-Moradia (MPM).

Entre as reivindicações, estão redução na tarifa do transporte, mais verba para saúde e educação, reforma agrária e construção de casas populares. De acordo com o chamado, o ato servirá também para exigir a prisão imediata do assassino do estudante Marcos Delafrate, de 18 anos, atropelado e morto quando participava de uma manifestação no dia 20, em que outras 12 pessoas ficaram feridas. A concentração será na Esplanada do Teatro Pedro II, às 16 horas.

Mais conteúdo sobre:
ProtestosSPinterior

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.