Atleta de 33 anos foi afetada pela doença

A jogadora de handebol Daniela Piedade já estava em quadra, na Eslovênia, quando sentiu uma dor de cabeça forte e desmaiou

RIO , O Estado de S.Paulo

11 de novembro de 2012 | 02h04

Atleta, saudável e com boa alimentação, a pivô da seleção brasileira de handebol Daniela Piedade surpreendeu ao ter um AVC aos 33 anos, em 29 de setembro. Ela já estava em quadra, no aquecimento para um jogo de seu time, o Krim Ljubljana, na Eslovênia, quando sentiu uma dor de cabeça forte, seguida de tontura e desmaio. Quando recobrou a consciência, não conseguia se comunicar, nem movimentar o lado direito do corpo.

Daniela foi levada para um hospital universitário, onde a tomografia diagnosticou o AVC isquêmico. Ficou internada por nove dias. Na última segunda-feira, o resultado de um exame revelou a possível causa do derrame: cardiopatia congênita. Ela deve ser operada no Brasil.

A atleta tem forame oval patente. O forame oval é um orifício que existe entre os dois átrios e se fecha naturalmente, até três meses depois do nascimento. Ao se fechar, impede que haja fluxo de sangue do átrio esquerdo para o direito. No caso de Daniela, isso não ocorreu.

"Entre 15 e 25% das pessoas mantêm esse forame. Algumas teorias apontam que 45% das pessoas que sofrem AVC têm o forame aberto. Esse orifício facilita a formação de trombo (coágulo), que sai do coração, sobe pela carótida e causa o AVC", explica o médico da seleção brasileira Leandro Gregorut Lima.

Os médicos da Eslovênia e o brasileiro concordam que operar é a melhor opção para Daniela. "Se não fosse atleta, ela tomaria anticoagulante", aponta. "Mas isso provavelmente a impediria de jogar, porque um acidente poderia causar hemorragia. A cirurgia é feita por cateterismo - um cateter com câmera na ponta entra pela artéria femoral na virilha e sobe até o coração. E o médico fecha o forame, com um ponto, para impedir esse fluxo."

Daniela atualmente passa bem, sem sequelas do AVC, e acompanhada da mãe. Ela ainda não foi liberada para dar entrevistas sobre o episódio. / C.T.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.