Ator holandês morre após recorrer à eutanásia

Carl Ridders sofria há anos de uma doença neuromuscular e morreu em sua casa na Bélgica

Efe

08 Dezembro 2008 | 14h37

O ator e diretor de teatro holandês Carl Ridders, que sofria há anos de uma doença neuromuscular, morreu no domingo através de eutanásia em sua casa na Antuérpia, na Bélgica, anunciou nesta segunda-feira, 8, a televisão pública flamenga VRT.   O ator se tornou famoso especialmente na região de Flandres após aparecer na adaptação para o cinema de O sacramento (1989), um romance do escritor belga Hugo Claus.   "Ontem à tarde, no domingo 7 de dezembro 2008, morreu Carl Ridders em seu domicílio e com a presença de parentes e amigos íntimos", foi publicado no blog do ator.   "Sua despedida (...) aconteceu em um ambiente de beleza absoluta, entre centenas de flores brancas, música preciosa, palavras bonitas, tortas deliciosas e champanhe", destaca o site da internet.   "Sou um homem feliz, vivo em uma época e em um lugar onde posso determinar meu próprio final e pôr fim a um sofrimento em vão", escreveu Ridders em seu último post no blog.

Mais conteúdo sobre:
eutanásia Carl Ridders

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.