Atrasos dobram reclamações no Juizado Especial de Congonhas

Na segunda, aeroporto registrou 54% de atrasos e juizado teve o dia mais movimentado desde sua abertura

Solange Spigliatti, do estadao.com.br,

23 de outubro de 2007 | 09h20

O Juizado Especial Civil instalado no Aeroporto de Congonhas, na zona sul de São Paulo, teve seu dia mais movimentado na segunda-feira, 22, quando mais da metade dos vôos do aeroporto atrasaram. Inaugurado no dia 8 de outubro, o juizado recebeu 46 reclamações na segunda, mais que o dobro da média diária, que é de 20 queixas. No começo da tarde, o aeroporto registrava atrasos superiores a uma hora em 54,9% dos vôos, segundo a Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero).   Governo adia mudanças para solucionar a crise aérea no País CPI pede indiciamento de 23 servidores da Infraero e da Anac Dilma quer privatizar aeroportos Zuanazzi diz que fica e Jobim evita polêmica Especial sobre a crise aérea    A situação em Congonhas era complicada já que no domingo, 21, o aeroporto fechou devido à chuva na capital paulista. Com isso, vôos foram transferidos para a segunda-feira causando o "efeito cascata". No começo da noite, o número de atrasos diminuiu e atingiu 34,8% dos vôos do aeroporto.   O Aeroporto Internacional de São Paulo (Cumbica), em Guarulhos, teve 19 reclamações na segunda-feira. Segundo informações do Juizado Especial Civil, os dois aeroportos de São Paulo tiveram 84 reclamações durante o fim de semana.   Apesar de Congonhas ter registrado maior número de reclamações na segunda, Cumbica teve mais queixas no sábado e no domingo: 52. Nos primeiros quinze dias de funcionamento em São Paulo, os juizados já contabilizaram 502 reclamações e 188 acordos, uma média de 37% de êxito.   Os juizados foram instalados pelo Tribunal de Justiça do Estado, em parceria com a Justiça Federal. A intenção é atender às reclamações de passageiros em relação à falta de informações, overbooking, atrasos e cancelamentos de viagens, extravio e violação de bagagens.   Os juizados buscam um acordo entre empresas aéreas e passageiros com reclamações. Os postos funcionam de segunda a sexta-feira, das 11 às 19 horas, e aos sábados, domingos e feriados, das 14 às 19 horas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.