ATUALIZA 1-Resultados operacionais da AIG superam projeções

Os resultados da seguradora norte-americana AIG no quarto trimestre superaram as expectativas de Wall Street, embora o presidente-executivo, Robert Benmosche, tenha dito que os bônus pagos a alguns funcionários serão menores neste ano já que a companhia não cumpriu todas as suas metas de performance.

LAUREN TARA LACA, Reuters

21 de fevereiro de 2013 | 21h09

De maneira geral, a companhia publicou nesta quinta-feira prejuízo de 4 bilhões de dólares, devido principalmente à venda de suas operações de leasing de aeronaves, a ILFC, além de perdas ligadas à supertempestade Sandy.

Mas as tendências de negócios da AIG --com maior investimento ao longo de seus dois principais negócios com seguros, e maiores margens de coordenação em suas operações de propriedade e acidentes-- ajudaram a elevar o resultado operacional acima do que esperavam analistas.

O ano passado foi um marco importante para a AIG, que foi resgatada por contribuintes norte-ameircanos em 2008 com um resgate que eventualmente excedeu 180 bilhões de dólares. O governo norte-americano, que assumiu uma participação na seguradora em troca dos recursos, abriu mão de quase a totalidade de seu investimento na AIG no ano passado.

O prejuízo líquido da seguradora ficou em 4 bilhões de dólares, ou 2,68 dólares por ação, no período, frente a lucro de 21,5 bilhões de dólares, ou 11,31 dólares por ação, no mesmo período no ano anterior.

Em base operacional, a companhia lucrou 290 milhões de dólares, ou 0,20 dólar por ação. A empresa registrou perdas de 1,3 bilhão de dólares no trimestre devido à supertempestade Sandy.

Segundo a Thomson Reuters I/B/E/S, a expectativa média de analistas era de prejuízo de 0,08 dólar por ação no trimestre.

O papel da AIG caía 0,8 por cento no after-market.

Tudo o que sabemos sobre:
FINANCASAIGRESULTS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.