Audi deixará de produzir o A3 no Brasil em 2005

Mais uma empresa deve deixar de produzir veículos no País. A Audi, que tem fábrica conjunta com a Volkswagen no Paraná, vai parar a produção do modelo A3 no próximo ano. Sem um novo produto, a marca permanecerá no País só como importadora. A fábrica deverá manter apenas a produção dos modelos Volkswagen Golf e Fox. O Golf, entretanto, não terá vida longa. A matriz da companhia já decidiu que também não trará para o País a nova versão desse modelo, lançada na Europa no ano passado. No Brasil, a montadora informa que a versão atual não tem prazo para sair de linha. Mas, ao que parece, a fábrica paranaense deverá, no futuro, abrigar só a linha do Fox e seus derivados. O diretor-executivo comercial da Audi Senna, responsável pela comercialização dos veículos Audi no Brasil, Ubirajara Guimarães, confirmou ontem que a montadora optou por concentrar a produção do novo A3 na Alemanha. A versão atual fica em produção no País até o fim de 2005. Não há previsão, no momento, de montar outro produto da marca, disse Guimarães. "É uma questão de custo-benefício". Segundo ele, metade das peças do A3 são importadas. Com o baixo índice de produção, não compensa a nacionalização. A matriz, que já produz a versão de duas portas, vai fazer também a de quatro portas e exportá-la ao Brasil. Após o boom de novas montadoras, a partir de 1997, duas já abandonaram o País. A Chrysler fechou a fábrica de picapes no Paraná e a International a de caminhões no Rio Grande do Sul. A GM fechou os negócios com caminhões, mas mantém as três plantas de automóveis. Foram vendidas 7.603 unidades do A3 no ano passado. Segundo Guimarães, se o Brasil fechar um acordo comercial com a União Européia, em discussão desde o ano passado, o novo A3 será importado com preços competitivos. O acordo prevê isenção de imposto de importação e cotas para cada empresa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.