Audiência de 14 líderes do PCC atrai curiosos em SP

Ao menos 150 pessoas permanecem em frente ao fórum de Jundiaí, a 60 quilômetros da capital paulista, à espera dos líderes da organização criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC) que devem chegar hoje à cidade. Policiais civis e militares foram acionados para garantir a segurança e a realização da audiência com 14 líderes da facção e 12 testemunhas de acusação no processo sobre a morte do policial militar Nelson Pinto durante os ataques promovidos pelo PCC em todo o Estado, em maio de 2006.A polícia ainda não confirmou se o líder máximo da facção Marcos Camacho, o Marcola, já está no local. Mas os curiosos que estão na rua ao lado do fórum aguardam ansiosos. "A gente só vê camburão chegando com preso pequeno. Disseram até que o Marcola já está lá dentro, mas eu acho que a chegada dele vai ser mais barulhenta", afirmou o aposentado Presciliano Carlos Primo, de 70 anos, que saiu da cidade vizinha, Várzea Paulista, para acompanhar o movimento em Jundiaí. Os principais suspeitos de participar da morte do policial são Marco Antônio Roque, o Fião, e Sérgio Eduardo de Castro, o Cabelinho.

TATIANA FÁVARO, Agencia Estado

19 de outubro de 2007 | 13h08

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.