Audiência discute excesso de cesarianas em hospitais privados

Ministério Público Federal ouvirá represententes de médicos, hospitais e governo

Emilio Sant’Anna,

25 de setembro de 2007 | 22h48

O alto número de cesarianas realizadas nos hospitais privados brasileiros chamou a atenção do Ministério Público Federal de São Paulo (MPF). Nesta quarta-feira, o órgão realiza audiência pública com representantes do Ministério da Saúde, Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), Conselho Federal de Medicina e Associação dos Hospitais Privados para discutir essa situação. De acordo com dados preliminares do Sistema de Informações de Nascidos Vivos do Ministério da Saúde (Sinasc), em 2006, por exemplo, 78% dos partos realizados nos hospitais privados do município de São Paulo foram cesarianas. Entre 2000 e 2004, esse tipo de parto passou de 37,8% para 41,8% do total de partos no Brasil. A audiência é resultado de um representação civil movida pela Rede Parto do Princípio, formada por ONGs. Para Ana Cristina Duarte, uma das diretoras da rede, os planos de saúde não se preocupam com a questão. "Não consigo entender como poderia se manter uma taxa tão alta se não fosse vantajoso para eles", afirma.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.