Aumenta número de desalojados em Jaú, SP

Ao mesmo tempo em que os moradores iniciavam a recuperação dos estragos, aumentava nesta quarta-feira o número de desalojados pelas chuvas que caíram nos últimos três dias em Jaú. A cidade, que fica a 296 quilômetros de São Paulo, enfrentou, segundo o prefeito Osvaldo Franceschi Júnior, a pior enchente dos últimos 30 anos. O prefeito, que viajou a São Paulo para pedir ajuda ao Governo do Estado, decretou estado de emergência na terça-feira.

AE, Agência Estado

16 de novembro de 2011 | 19h15

Enquanto parte das famílias que mora na parte baixa da cidade - a mais atingida pela chuva - fazia a limpeza da lama, o número de desalojados aumentava de 250 para 300 famílias, com a interdição de residências pelos agentes da Defesa Civil. Apesar de a chuva ter cessado pela manhã, mais duas casas desabaram ainda na madrugada, aumentando para oito os desabamentos de residências às margens do rio Jaú.

O Jaú inundou na terça-feira, obrigando o Corpo de Bombeiros a fazer o resgate de dezenas de pessoas com barcos. Carros ficaram sob a água e duas adutoras que abastecem a região central da cidade foram danificadas prejudicando o abastecimento de água.

De acordo com o coordenador da Defesa Civil de Jaú, Valdir Baltazar, cinco grandes áreas, às margens do rio Jaú e córregos da Figueira e do Pires, foram atingidas. "Ainda estamos fazendo o levantamento e visitando as residências, contamos 250 delas que ficaram destelhadas", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
chuvaJaúSP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.