Aumenta retirada ilegal de palmito em parques

Volume extraído neste ano em SP em unidades de conservação já é 25% maior que o coletado no mesmo período em 2011

JOSÉ MARIA TOMAZELA , SOROCABA, O Estado de S.Paulo

19 Maio 2012 | 03h03

A falta de fiscalização está transformando os parques estaduais do Vale do Ribeira, que têm as maiores áreas protegidas de Mata Atlântica do Estado de São Paulo, em alvo de palmiteiros e caçadores. O volume de palmito retirado dessas unidades e apreendido pela Polícia Ambiental cresceu 25% neste ano em comparação com o mesmo período do ano passado.

Quadrilhas organizadas invadem as unidades de conservação com animais de carga para retirar quantidades cada vez maiores de palmito da palmeira-juçara, espécie ameaçada de extinção. O produto é processado em fábricas clandestinas instaladas próximas dos parques.

No dia 14, uma fabriqueta foi fechada em São Miguel Arcanjo, entorno do Parque Estadual Carlos Botelho, um dos principais alvos das quadrilhas. Os policiais apreenderam no local 1,5 mil palmitos, cada um equivalente à derrubada de uma palmeira.

Em janeiro, cerca de três toneladas de palmito, correspondente ao corte de 1,7 mil palmeiras, foram apreendidas no parque. A carga estava enfeixada no lombo de 22 mulas usadas para o transporte. Policiais chegaram a um acampamento montado pela quadrilha, mas ninguém foi preso. Para não ser surpreendido pela polícia, o bando mantinha "olheiros" sobre as árvores.

Policiais ambientais admitem que o número de guardas nas unidades do Vale do Ribeira - Carlos Botelho, Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira (Petar) e Intervales - é insignificante perto da imensidão dessas matas. No Carlos Botelho, são apenas seis guardas e dois vigilantes para cobrir uma área de 37,7 mil hectares - em média quase 5 mil hectares por guarda.

O parque detém metade da população de mono-carvoeiro do País, primata que vive apenas em ambientes preservados. E preserva grandes populações da palmeira - fora do parque ela está praticamente extinta.

Ação de caçadores. A palmeira-juçara está na base da cadeia alimentar de tucanos, jacutingas, quatis e monos-carvoeiros, além de vários roedores. Pagos pelas fabriquetas para invadir a reserva e extrair o palmito, os palmiteiros também praticam a caça.

Profissionais contratados pela Secretaria do Meio Ambiente para fazer o plano de manejo do Petar relataram a ação de caçadores no parque de 36 mil hectares. "Muitos palmiteiros caçam no período em que estão acampados, até mesmo espécies criticamente ameaçadas de extinção, como a jacutinga. A repressão aos palmiteiros tem sido ineficaz", diz o relatório.

O documento informa que vestígios dos caçadores foram encontrados em vários locais do parque, além de armadilhas para catetos no interior de uma gruta. A Polícia Ambiental relaciona entre os animais visados pelos caçadores pela carne, a anta, o bugio, a paca, a cotia, o veado e o cateto e a queixada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.