Aumentam crimes cometidos por meninas na Inglaterra e País de Gales

Jovens entre 10 e 17 anos estão envolvidas em ataques violentos e roubos.

Da BBC Brasil, BBC

15 de maio de 2008 | 10h50

O número de crimes cometidos por meninas de 10 a 17 anos aumentou em 25% na Inglaterra e no País de Gales nos últimos três anos, segundo informações do órgão responsável por supervisionar os jovens criminosos nas duas nações.Segundo o Painel de Justiça para a Juventude, as meninas cometeram 59 mil ofensas criminais entre os anos de 2006 e 2007, 12 mil a mais do que no período de 2003 a 2004, mas ainda assim, um número muito mais baixo do que o de crimes cometidos por meninos.Houve aumento no número de ataques menores, roubos, desordem pública e danos criminosos entre as meninas.Mas no total, o número de crimes cometidos por meninos diminuiu em 2% no mesmo período, segundo as estatísticas.O número total de crimes cometidos por jovens entre 10 e 17 anos que levaram a ações policiais ou da Justiça foi pouco mais de 295 mil - uma redução dos 301 mil registrados no período de 2005 a 2006, mas ainda mais alto do que há três anos atrás.MeninosA grande maioria desses crimes (79,9%), no entanto, continua sendo cometida por garotos, tanto na Inglaterra como no País de Gales.O órgão agora encomendou uma pesquisa para determinar se há fatores específicos que tenham causado o aumento da criminalidade entre as jovens e o que pode ser feito para combater a tendência.As primeiras conclusões indicam que este aumento se deve, em parte, ao crescimento no número total de meninas nesta faixa etária, combinado ao fato de que a polícia tem atuado mais em casos de meninas acusadas por crimes mais leves, como brigas na escola, por exemplo.Mas teme-se que também haja uma ligação entre o aumento da criminalidade entre as jovens e o maior consumo de álcool por adolescentes.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.