Austrália declara que boom de recursos minerários chegou ao fim

O ministro de Recursos Naturais da Austrália declarou nesta quinta-feira o fim do boom do setor de mineração no país, um dia depois que a maior mineradora do mundo, a BHP Billiton, engavetou dois planos de expansão que somariam pelo menos 40 bilhões de dólares.

MAGGIE LU YUEYANG E SONALI PAUL, Reuters

23 de agosto de 2012 | 12h37

O ministro de Recursos e Energia Martin Ferguson posteriormente recuou, dizendo que os preços das commodities haviam atingido o auge enquanto os investimentos em projetos multibilionários continuariam, especialmente no setor de energia.

Outros ministros, preocupados com os ataques da oposição --que culpa os controversos impostos do governo trabalhista sobre carbono e mineração de ferir o setor de recursos naturais--, apressaram-se a dizer que o boom em recursos estava longe de terminar.

"O boom dos recursos terminou", disse Ferguson a uma rádio australiana. "Nós fomos bem --270 bilhões de dólares australianos (282 bilhões de dólares americanos) em investimento, causando inveja ao mundo. Ficou difícil nos últimos seis a 12 meses."

Os comentários de Ferguson ocorreram depois que a BHP adiou planos para a expansão de mais de 20 bilhões de dólares do projeto de cobre Olympic Dam e para um novo porto, de 20 bilhões de dólares, que praticamente dobraria as exportações de minério de ferro em Western Australia.

A BHP culpou os crescentes custos de desenvolvimento, a alta do dólar australiano e a queda nos preços das commodities.

Impulsionada pela demanda chinesa por carvão, ferro e outros recursos, a economia australiana foi uma das poucas entre os países desenvolvidos a navegar com tranquilidade durante a crise econômica global, sem cair em recessão.

No entanto, com a China se encaminhando para o crescimento de PIB mais lento em mais de uma década, investidores estão nervosos com as perspectivas de curto prazo para as mineradoras.

"Nós teremos que tomar mais decisões duras, investir em menos projetos, nós teremos que renunciar outras coisas, nós teremos que reorganizar projetos", disse Tom Albanese, presidente da Rio Tinto, durante um fórum em Perth.

Políticos podem estar preocupados com a desaceleração da economia, mas analistas dizem que o temor é prematuro, já que projetos de energia continuarão a todo vapor.

A ministra das finanças Penny Wong também diminuiu os temores de um colapso no boom da mineração, dizendo que o governo já preparou uma redução dos termos de comércio da Austrália, que mede a diferença entre os ganhos com exportações e os custos de importação.

"Nós ainda temos um longo caminho para percorrer em relação a este boom de investimentos", disse Wong a uma rádio australiana.

(Reportagem adicional de James Grubel em Camberra e Lincoln Feast em Sydney)

Tudo o que sabemos sobre:
MINERACAOAUSTRALIABOOM*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.