Austrália exuma 179 corpos para buscar desaparecidos

Muitos dos corpos que serão examinados foram enterrados como indigentes.

BBC Brasil, BBC

30 de outubro de 2007 | 09h05

A polícia do estado de Victoria, na Austrália, vai exumar 179 corpos numa tentativa de resolver casos de pessoas desaparecidas nas últimas décadas.Muitas dessas pessoas foram enterradas como indigentes, já que, por falhas no sistema da polícia, não havia um cruzamento eficiente de informações sobre os corpos não identificados e os casos de pessoas desaparecidas.Agora, a polícia australiana espera utilizar o que há de mais moderno na tecnologia forense, incluindo exames de DNA, para trazer alívio para famílias que estão há anos sem saber o destino de parentes."Há uma obrigação moral de dar uma solução (sobre os casos) para as famílias", disse o superintendente de polícia Paul Hollowood ao jornal australiano Herald Sun. "Como organização, nós poderíamos ter dito a nós mesmos que 'o passado é o passado e não vamos olhar para trás'. Mas tomamos a decisão de que realmente precisávamos fazer isso (identificar os corpos) e que era importante tentar resolver o máximo de casos possível", disse Hollowood ao jornal.Nos últimos dez meses, a polícia recuperou 80 mil casos arquivados sobre todas as pessoas desaparecidas e corpos não identificados na região desde 1960. Em seguida, foi criado um banco de dados que vai facilitar a comparação de informações.O trabalho já rendeu a descoberta de que 40 pessoas desaparecidas há muitos anos ainda estão vivas.Agora, a polícia espera, nos próximos dois anos, ligar a maioria dos 179 corpos à lista de 523 pessoas desaparecidas na região.Recentemente, a polícia de Victoria foi responsabilizada por ter erroneamente enterrado seis pessoas como indigentes.Três delas tiveram os corpos exumados e foram identificadas como Matthew Bibby, Chris Papas e Peter Wilson. As famílias receberam pedidos de desculpas da polícia.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.