Austrália vai proibir o uso de lâmpadas incandescentes

o governo australiano anunciou um plano para tirar de circulação as lâmpadas incandescentes e substituí-las por Lâmpadas fluorescentes compactas, mais econômicas. A lâmpada incandescente é a lâmpada de tipo mais comum, onde um filamento metálico, aquecido pela eletricidade, brilha, gerando a luz. Segundo o ministro australiano do Meio Ambiente, Malcolm Turnbull, o plano é o primeiro do mundo nesse sentido. Na verdade, porém, Cuba e Venezuela já contam com programas semelhantes.Leis para restringir o uso de lâmpadas incandescentes poderão reduzir as emissões australianas de gases do efeito estufa em 4 milhões de toneladas até 2012, e cortar as contas domésticas de eletricidade em até 66%, afirma Turnbull. Segundo dados oficiais, a Austrália gerou 565 milhões de toneladas de gases do efeito estufa em 2004."É um pouco, mas é uma grande mudança", disse o ministro, a uma rede local de televisão. "Se o mundo... seguir nosso exemplo, isto reduzirá o consumo de energia em cerca de cinco vezes o que a Austrália consome".De acordo com o plano australiano, lâmpadas que não cumpram metas de economia de energia serão proibidas no mercado. Isenções podem ser concedidas para fins específicos, como a iluminação médica. As lâmpadas fluorescentes são mais caras, mas geram o mesmo grau de iluminação que as incandescentes com apenas 20% da energia.Ambientalistas saudaram o plano, mas disseram que a iniciativa representa uma gota no oceano.

Agencia Estado,

20 de fevereiro de 2007 | 14h21

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.