Autoria da morte de administrador no Rio é dada a assaltante

BO foi registrado como latrocínio e tentativa de homicídio, crimes atribuídos a Jefferson dos Santos Leal

Talita Figueiredo, O Estado de S.Paulo

15 Julho 2008 | 19h55

O delegado que investiga a morte do administrador de empresas Luiz Carlos Soares da Costa, de 36 anos, José de Moraes Ferreira, disse hoje que o caso foi registrado como latrocínio (roubo seguido de morte) e tentativa de homicídio. Os dois crimes foram atribuídos ao assaltante Jefferson dos Santos Leal, de 18 anos, que está internado no Hospital Geral de Bonsucesso, no Rio, onde se recupera de uma cirurgia no abdome, depois de ter sido atingido por um tiro.   Veja também: PM do Rio defende policias de ação que matou administrador Infoglobo lamenta a morte do funcionário atingido por PMs Polícia não vai mudar procedimentos, diz Beltrame Para Ferreira, a morte de Costa foi um "erro de execução", que não existe como crime. Na opinião do delegado que investiga a morte dele, foi o roubo ao carro e o seqüestro relâmpago a que o administrador foi submetido que o levou à morte. "Por isso, foi registrado como latrocínio cometido pelo assaltante. A princípio, prevalece a versão dos policiais militares, mas vamos continuar apurando o caso", disse. Segundo Ferreira, pelo que se tem apurado do crime até o momento, os quatro policiais militares que atiraram contra o automóvel "em legítima defesa" não devem ser enquadrados em homicídio, mesmo tendo assassinado por engano a vítima do assalto.   "Eles não sabiam que, no carro, havia um inocente. Os policiais militares revidaram depois de o assaltante, que dirigia o carro, atirar primeiro. Então, foi uma reação", entendeu. Ferreira afirmou, no entanto que, depois de encaminhar o caso para o Ministério Público (MP), os promotores podem discordar dele e "até levar os PMs a júri".Cerca de 300 pessoas acompanharam hoje o enterro do administrador de empresas, no Cemitério São Francisco Xavier, no Caju. Emocionada, Simone, mulher de Costa, foi amparada por parentes e amigos. O administrador, que também era pastor evangélico, foi enterrado ao som de hinos religiosos e gritos por justiça.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.