Autoridades dos EUA discutem mercado de tecidos humanos

O segundo escândalo envolvendo partes de corpos humanos a estourar neste ano, nos EUA, levou a Administração Federal de Medicamentos e Alimentos (FDA) a formar uma força-tarefa para estudar a regulamentação do setor, incluindo a eficiência de regras baixadas em 2005. Desde então, investigadores descobriram que pelo menos duas empresas haviam coletado partes humanas - tecidos e órgãos - sem cumprir as normas federais.No início do mês, a FDA fechou a empresa Donor Referral Services, acusada de ter "graves deficiências" em seu sistema de triagem de doadores, manutenção de registros e processamento do material. O dono da companhia, Philip Guyett, foi acusado de manipular registros para ocultar uso de drogas e doenças de alguns doadores.O caso da Donor Referral estourou pouco depois de outra companhia, a Biomedical Tissue Services, ter sido acusada de extrair ligamentos, ossos, tendões e pele de cadáveres sem consentimento.A maioria das empresas que lidam com tecidos humanos obedece à lei, diz a FDA. Mas a agência quer saber se é necessário reforçar a fiscalização para garantir que todas as firmas atuem de modo a proteger os receptores dos tecidos de doenças contagiosas.

Agencia Estado,

30 de agosto de 2006 | 16h51

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.