Autoridades erram na defesa das UPPS, diz antropólogo

Para o antropólogo Paulo Storani, ex-capitão do Batalhão de Operações Especiais (Bope) da PM, as autoridades de segurança estão perdendo a "guerra da comunicação" na defesa do programa das UPPs do Rio. Recentemente está se tornando comum protestos de moradores de favelas pacificadas exigindo a retirada das UPPs destes locais. Isso ocorreu nas várias manifestações de moradores do Pavão-Pavãozinho, em Copacabana (zona sul), contra a morte do dançarino do programa Esquenta, da TV Globo Douglas Rafael Pereira.

MARCELO GOMES, Agência Estado

28 Abril 2014 | 18h46

"Nestes protestos estão surgindo várias faixas com os dizeres ''fora UPP''. Será que isso é uma exigência da maioria das pessoas que vivem ali, ou apenas de um grupo de moradores que ficaram sem renda com a saída dos traficantes? É sabido que muitas pessoas que não necessariamente estavam ligadas ao tráfico eram contratadas para fazer a endolação, ou seja, preparar a droga para venda", explica Storani. "Está faltando coragem de as autoridades assumirem os erros do projeto, talvez por ser ano eleitoral. Mas a omissão abre espaço para alguém falar. É o que está acontecendo com a minoria que prega o fim das UPPs, que inegavelmente reduziram as taxas de criminalidade e devolveram o controle desses territórios para o Estado".

Além disso, na opinião do especialista, a raiz da crise das UPPs está no fato de o programa ter ficado pela metade. "A pacificação tem três fases: intervenção policial para retomada do território; ocupação social para integrar as favelas à cidade formal; e a retirada da polícia. Infelizmente, até agora apenas a primeira fase se concretizou", disse.

Mais conteúdo sobre:
UPPsantropólogo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.