Dario Oliveira - Futura Press/AE
Dario Oliveira - Futura Press/AE

Avenida 23 de Maio, em SP, começa a ser liberada após protestos

Manifestação na capital paulista ocorre em apoio ao ato do Rio contra o dinheiro gasto com a vinda do papa

Agência Estado

26 de julho de 2013 | 20h38

Um grupo de manifestantes realizou no início da noite desta sexta-feira, 26, um protesto na Avenida Paulista em apoio às recentes manifestações no Rio de Janeiro contra o governador Sergio Cabral e os gastos com a vinda do papa. O protesto foi convocado no Facebook pelo grupo de hackers Anonymous. Ele se reuniram no vão livre do Masp e fecharam a pista sentido Consolação. O grupo se dirigiu na sequência para a Avenida 23 de Maio, interditando a via, que começou a ser liberada por volta das 20h30. Uma van da TV Record foi parcialmente incendiada. Alguns integrantes tinham os rostos cobertos.

Uma minoria, possivelmente do grupo Black Bloc, atacou agências bancárias na Paulista. Uma unidade do Banco Itaú perto do metrô Trianon-Masp teve as paredes pichadas e o corrimão quebrado. Em um prédio do Citibank, foram pintados símbolos de anarquia e a mensagem: "Era Punk: morte ao capital". Outra agência, do Banco do Brasil, teve os vidros quebrados. Parte dos manifestantes ainda colocou fogo em sacos de lixo e destruiu duas cabines da Polícia Militar, que foram jogadas na pista. De acordo com os PMs que acompanhavam o protesto, a ordem era para não intervir.

Mais conteúdo sobre:
protestossp23 de Maio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.