Aversão a risco faz dólar ir a R$ 1,75

Ibovespa perde 2,25% com realização de lucros impulsionada pela apreensão com possível calote em Dubai

Silvana Rocha, Claudia Violante e Denise Abarca, O Estadao de S.Paulo

27 de novembro de 2009 | 00h00

Em meio à liquidez reduzida por causa do feriado pelo Dia de Ação de Graças nos Estados Unidos, ontem, o dólar à vista subiu. As cotações foram pressionadas pela valorização externa da moeda norte-americana e as dúvidas de investidores locais sobre as possíveis decisões da reunião do Conselho Monetário Nacional (CMN). O encontro do CMN começou às 15 horas e durou só 13 minutos. Como os seus integrantes não votaram medidas relacionadas ao câmbio, como temia o mercado, o dólar desacelerou os ganhos. Ainda assim, a divisa avançou 1,39%, a R$ 1,750 no balcão. O temor de um calote (default) no principal conglomerado de Dubai, nos Emirados Árabes, contaminou a bolsa brasileira, que interrompeu três sessões de ganhos. O Ibovespa caiu 2,25%, aos 66.391,80 pontos. A empresa Dubai World, com passivos de quase US$ 60 bilhões, decidiu paralisar por seis meses o pagamento de sua dívida. O receio é de que um possível default possa desencadear perdas em outras praças financeiras como Ásia e Europa. No mercado de juros, as taxas voltaram a subir após o IPCA-15 de novembro acima do teto das estimativas. A taxa de janeiro de 2011 avançou a 10,28%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.