Aviões de guerra do Iêmen matam soldados por engano

Um avião de guerra iemenita equivocadamente atingiu uma área militar no sul do Iêmen, no domingo, matando mais de uma dezena de soldados, segundo um oficial de segurança local. O governo nega as informações.

REUTERS

02 de outubro de 2011 | 10h21

"Não temos certeza do número ainda, mas cerca de 18 ou 20 soldados foram mortos, o avião atingiu uma pequena base militar em Abyan. Eles tentavam atingir um esconderijo da Al Qaeda", disse um oficial de segurança à Reuters por telefone da província de Abyan.

Uma fonte do Ministério da Defesa, no entanto, negou "as notícias falsas de que soldados iemenitas foram mortos em um ataque acidental por um avião iemenita."

O Exército do Iêmen está lutando para recuperar o território perdido para a Al Qaeda durante os meses de turbulência política. O governo tem tido uma crescente deterioração de sua influência sobre algumas áreas do país, como Abyan.

A capital de Abyan, Zinjibar, foi "liberada" de combatentes islâmicos por tropas do governo no mês passado, mas confrontos continuam a ocorrer. Autoridades locais e moradores dizem que 15 militantes foram mortos no ataque aéreo no domingo, enquanto quatro soldados morreram em combate com pistoleiros.

Desde que os protestos populares contra o presidente Ali Abdullah Saleh paralisaram o empobrecido Iêmen no início deste ano, países desenvolvidos temem que a falta de controle fortaleça os grupos da al Qaeda e coloque em risco as rotas de navegação do Mar Vermelho.

Saleh recentemente voltou ao Iêmen, vindo da Arábia Saudita onde ele estava se recuperando de um atentado. Seu retorno surpresa coincidiu com a intensificação dos combates na capital Sanaa, com confrontos militares entre forças favoráveis e contrárias a Saleh.

Muitos iemenitas e observadores temem que o país possa mergulhar em uma guerra civil.

(Reportagem de Mohammed Ghobari, Erika Salomon e Dhuyazen Mukhashaf)

Mais conteúdo sobre:
IEMEMAVIAOMORTE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.