Bactéria ''E. coli'' mata a 1ª criança na Alemanha

Menino de 2 anos estava em UTI há dias; novos casos estão se tornando escassos, segundo as [br]autoridades do país

, O Estado de S.Paulo

15 Junho 2011 | 00h00

BERLIM

Um menino de 2 anos se tornou ontem a primeira criança a morrer em decorrência do surto de uma cepa agressiva da bactéria E. coli na Europa. Com isso, subiu para 37 o número de mortes causadas por essa bactéria - 36 na Alemanha e 1 na Suécia.

O menino morreu após passar dias na UTI de um hospital em Hannover, informaram autoridades da Baixa Saxônia, Estado localizado no norte do país. O restante de sua família também adoeceu, porém se recupera.

Até o momento, 3.343 pessoas ficaram doentes em 14 países europeus e também nos Estados Unidos e no Canadá, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). Desses casos, 3.235 ocorreram na Alemanha desde o dia 1.º de maio e apenas 5 não ocorreram em pessoas que haviam visitado recentemente o país.

De todos os pacientes, 782 apresentam quadros graves da síndrome hemolítico-urêmica (SHU), doença que pode causar sérios danos, em especial aos rins. Desses, 69% são mulheres e, segundo um renomado especialista, cerca de cem necessitarão de hemodiálise para o resto da vida ou de um transplante.

Desaceleração. O Instituto Robert Koch, a agência de prevenção e controle de doenças da Alemanha, informou ontem que o número de novas infecções tem caído nos últimos dias. De anteontem para ontem, o número de novos casos foi de apenas sete. Mas o ministro da Saúde, Daniel Bahr, alertou que o número de mortes ainda pode aumentar.

As autoridades alemãs afirmam que o surto se iniciou por causa de brotos de feijão cultivados em uma fazenda no norte do país. Após analisar 617 amostras de hortaliças, foi encontrada em alfaces vermelhas uma outra cepa da E. coli, menos perigosa.

O surto provocou prejuízos a países que exportaram produtos rurais à Alemanha. Ontem, a União Europeia aprovou uma compensação de 210 milhões (R$ 480 milhões) aos produtores. / DER SPIEGEL, AP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.