Bagdá acusa Síria de facilitar ação terrorista

Países vizinhos facilitam ataques como o de domingo, que matou 155 em Bagdá, diz chanceler

AP, BAGDÁ, O Estadao de S.Paulo

27 de outubro de 2009 | 00h00

O chanceler iraquiano, Hoshyar Zebari, acusou ontem a Síria e outros países vizinhos do Iraque de não fazerem o suficiente para impedir a ação de terroristas em suas fronteiras. A declaração foi feita no dia seguinte a dois atentados simultâneos que deixaram pelo menos 155 mortos e mais de 500 feridos em Bagdá, na ação mais violenta no país nos últimos dois anos.

Equipes de resgate encontraram ontem os corpos de 24 crianças mortas num ônibus que deixava as instalações de uma creche atingida por uma das explosões.

Zebari comparou os atentados de domingo com outro ataque semelhante em 19 de agosto, em Bagdá, que deixou 87 mortos. As duas ações ocorreram na mesma região, próxima à Zona Verde, considerado o ponto mais seguro da capital, onde ficam edifícios governamentais e embaixadas.

Os atentados de agosto marcaram o início da crise entre a Síria e o Iraque. Na época, Damasco negou-se a extraditar dois membros do antigo partido governista iraquiano, o Baath, acusados de envolvimento na ação. O governo sírio disse que o Iraque não tem provas que respaldem as acusações, qualificadas de "imorais" e "políticas".

"Nós não acusamos a Síria, acusamos os membros do Baath, assim como a proteção que é dada a eles e as instalações que lhes são fornecidas, porque todas essas coisas são responsabilidade dos países vizinhos", disse Zebari.

Até agora, nenhum grupo reivindicou a autoria dos ataques de domingo. Como os veículos utilizados na ação passaram por várias barreiras policiais, o governo disse que abrirá uma investigação interna na polícia.

"Os países vizinhos estão obrigados a respaldar a estabilidade no Iraque e isso não está ocorrendo", acusou Zebari.

Ele também criticou os resultados da última reunião de ministros de Interior dos países que fazem fronteira com o Iraque, realizada no início do mês, no Egito.

Para Zebari, os resultados "não estiveram no nível requerido". O chanceler reconheceu que continuam existindo divergências com a Síria, apesar das quatro rodadas de diálogo já ocorridas e da mediação feita pelo governo da Turquia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.