Baixo índice glicêmico promove perda de peso, diz estudo

Uma dieta rica em carboidratos mas pobre no índice glicêmico, que mede o impacto dos carboidratos nos níveis de açúcar do sangue, pode ajudar a promover a perda de peso, diminuir a gordura corporal e reduzir o risco de doenças cardiovasculares, de acordo com um relatório na edição de segunda-feira da Archives of Internal Medicine. Os carboidratos vêm sendo o centro de recentes debates sobre a melhor dieta para perder peso. A atenção pública se concentrou em dietas de baixo índice glicêmico e ricas em proteínas. Médicos continuam a recomendar a seus pacientes planos de baixa gordura e ricos em carboidratos. Preocupados com o fato de que muitas fontes de proteína são ricas em gorduras saturadas, pesquisadores e nutricionistas pedem mais pesquisas sobre os benefícios e riscos de cada dieta. A teoria por trás das dietas de baixo índice glicêmico sustenta que, rapidamente digeridos, os carboidratos de alto índice glicêmico causam flutuações nos níveis de açúcar no sangue e insulina, estimulando a fome e evitando a quebra de gordura. Joanna McMillan-Price, da Universidade de Sydney, Austrália, e colegas recrutaram 129 jovens adultos (entre 18 e 40 anos), obesos ou acima do peso, e os inscreveram aleatoriamente em uma de quatro dietas de calorias e gordura reduzidas por um período de 12 semanas. Duas delas eram dietas ricas em carboidratos e as outras duas ricas em proteínas; uma de cada par possuindo alta carga glicêmica (a contribuição total de todos os alimentos na dieta para os níveis de açúcar no sangue) e as outras, com carga baixa. No começo e no final do estudo, os participantes passaram por testes de composição corporal. Eles foram pesados semanalmente e amostras de sangue foram retiradas nas semanas seis e 12. No final do estudo, os participantes de todas as dietas perderam peso, e não houve diferenças significativas entre as dietas na redução da gordura corporal, diminuição do tamanho da cintura ou na quantidade da perda de peso (uma média de 4,2% a 6,2% do peso corporal). Porém, as diferenças significativas apareceram na probabilidade de alcançar a meta clínica de 5% de perda de peso. Entre as duas dietas ricas em carboidrato, reduzir o índice glicêmico quase dobrou a perda de gordura; esse efeito foi mais forte em mulheres e não ocorreu entre aqueles nas dietas ricas em proteínas. Os participantes da dieta com alto índice glicêmico e rica em proteínas tiveram um aumento nos níveis do colesterol total e do ruim (LDL), enquanto aqueles na dieta com baixo índice glicêmico mas rica em proteínas passaram por reduções de ambos os índices de colesterol. Todos os outros fatores de risco cardiovasculares, incluindo níveis do colesterol (bom) HDL, ácidos graxos livres e proteína C-reativa, foram iguais entre os quatro grupos. "Concluindo, pelo menos a curto prazo, nossas descobertas sugerem que a carga glicêmica dietética, e não apenas o consumo total de energia, influencia a perda de peso e os níveis de açúcar no sangue após as refeições", disseram os autores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.