Balas usadas em Jean Charles eram 'para morte instantânea', diz especialista

Perito diz que projétil foi projetado para incapacitar na hora suposto homem-bomba.

BBC Brasil, BBC

15 de outubro de 2007 | 23h00

As balas utilizadas pela polícia britânica para matar o brasileiro Jean Charles de Menezes, confundido com um homem-bomba, foram projetadas "para matar instantaneamente", disse um especialista em armamentos num tribunal em Londres nesta segunda-feira.O julgamento, na Corte de Old Bailey, em Londres, avalia se a Polícia Metropolitana se colocou ilegalmente o público em risco durante a ação, ocorrida na estação de metrô de Stockwell, em 22 de julho de 2005.A força nega ter violado a Lei de Segurança e Higiene no Trabalho e responde a acusações de haver cometido "falhas fundamentais" na forma como conduziu a operação que culminou na morte do brasileiro.O especialista, que usa o pseudônimo "Andrew" para proteger seu anonimato, disse que a decisão de usar esse tipo de munição foi tomada para ajudar as operações da polícia na procura pelos responsáveis por atentados a bomba fracassados em Londres, no dia 21 de julho."Andrew" ressaltou ainda que os policiais foram treinados para atirar apenas "em último caso, quando os métodos convencionais tiverem falhado"."Esta é uma bala mais eficaz no contexto de lidar com um agente suicida pois há maior possibilidade de incapacitar a pessoa com um único tiro", afirmou.Jean Charles de Menezes, um eletricista de 27 anos, recebeu sete tiros e morreu em um vagão do metrô depois de ter sido identificado erroneamente.Só depois deste primeiro processo é que será conduzido um inquérito sobre as circunstâncias que levaram à morte do brasileiro.A Justiça britânica decidiu que o inquérito em relação ao caso deve ser conduzido independentemente do resultado do julgamento quanto às leis de segurança no trabalho.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.