Richard Drew/AP - 14/12/2009
Richard Drew/AP - 14/12/2009

Ban pede fim da troca de acusações na cúpula em Copenhague

Secretário-geral da ONU disse estar cautelosamente otimista com um bom resultado nas negociações climáticas

AE-AP, Agencia Estado

15 de dezembro de 2009 | 09h09

Os países ricos e pobres devem "parar com a troca de acusações" e melhorar suas metas para o clima, afirmou o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon. Ele chegou a Copenhague nesta terça-feira, 15, onde ocorre a 15ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP-15). O secretário-geral disse estar cautelosamente otimista com um bom resultado nas negociações. Porém, pediu aos negociadores que todos os lados trabalhem para reduzir as diferenças antes da chegada dos líderes mundiais.

 

Veja também:

linkPresidente da COP-15 vê 'muitos obstáculos' nas negociações

linkSerra e Minc defendem em Copenhague utilização do etanol

linkConferência é paralisada por países em desenvolvimento

linkMaior reunião da história tem dia tumultuado

blog Blog da COP: o dia a dia na cúpula

especialGlossário sobre o aquecimento global

especialO mundo mais quente: mudanças geográficas devido ao aquecimento

especialEntenda as negociações do novo acordo   

especialRumo à economia de baixo carbono   

"Esta é uma época em que eles deveriam exercer liderança", afirmou Ban. "E essa é a hora de parar a troca de acusações, é hora de começar a olhar no espelho e oferecer o que eles podem fazer a mais, tanto os países desenvolvidos quanto os em desenvolvimento."

As conversas sobre o clima entraram em um impasse ontem, quando países em desenvolvimento suspenderam as conversas em meio à forte desconfiança sobre as promessas das nações ricas para cortar emissões de gases causadores do efeito estufa. As negociações foram depois retomadas, mas as profundas divisões entre ricos e pobres permanecem sobre as metas e o financiamento para as nações mais pobres lidarem com o aquecimento global.

Ban previu que, caso os negociadores não consigam avançar antes da chegada das lideranças mundiais a Copenhague, "ou o resultado será fraco, ou não haverá acordo". "Será um sério erro da parte dos negociadores e dos líderes se eles voltarem para casa de mãos vazias."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.