Bancário fica 3h parado na Ponte Atílio Fontana

Oito quilômetros nunca pareceram tão longos como foram ontem para Marcos Roberto Mauso, de 34 anos. Morador de City América, na zona sul, ele demorou quatro horas até a Avenida Faria Lima, em Pinheiros, zona oeste. Só na Ponte Atílio Fontana passou três horas. "Desliguei o carro e saí para ver o que estava acontecendo." Da janela do carro, Mauso olhava o congestionamento nas Marginais do Pinheiros e do Tietê. Quando saiu de casa, calculou que conseguiria fazer o percurso em 30 minutos, como de costume.

, O Estadao de S.Paulo

22 de janeiro de 2010 | 00h00

Aflito com a fila enorme de veículos à sua frente e sem perspectivas de o trânsito andar, o bancário aproveitou para relaxar. "Liguei o rádio para ouvir notícias sobre o trânsito e rotas alternativas. Como não dava para fugir, mudei para música. Aproveitei para me distrair."

Entre 7h e 10h, desligou o motor do carro e permaneceu estacionado no meio da ponte. "Só a partir desse horário é que os carros começaram a andar, bem devagarinho. Nunca tinha pego uma lentidão como essa."

O bancário passou o dia de olho no noticiário. "Vou aguardar para voltar para casa se estiver chovendo. Não quero mais ficar parado em um congestionamento assim."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.