Banco do Sul 'terá capital autorizado de US$ 20 billhões'

Banco deve começar a funcionar em 2009 com US$ 10 bi, afirmam ministros.

Marcia Carmo, BBC

28 de junho de 2008 | 04h11

O Banco do Sul terá capital autorizado de US$ 20 bilhões, segundo um comunicado conjunto divulgado por ministros e vice-ministros da área econômica de Brasil, Argentina, Bolívia, Equador, Paraguai, Uruguai e Venezuela reunidos nesta sexta-feira, em Buenos Aires.De acordo com a nota, o Banco do Sul deverá começar a funcionar a partir de 2009 com US$ 10 bilhões no caixa - US$ 3 bilhões a mais que o valor inicialmente anunciado, quando a idéia foi lançada, no ano passado. A expectativa, segundo assessores das autoridades que participaram do encontro, é de que outros países da região, como Chile e Peru, financiem os recursos que completariam os US$ 10 bilhões. A previsão de se alcançar os US$ 20 bilhões é feita a partir da possível participação de outros países da região. "O Banco do Sul entrou numa etapa final de definições relacionadas ao seu convênio constitutivo", diz o comunicado. O texto diz ainda que este capital corresponde aos países membros da União das Nações Sul-americanas (Unasul). Uma nova reunião deverá ser realizada no próximo mês em Assunção, no Paraguai, e outra em La Paz, na Bolívia. DesenvolvimentoO Banco do Sul partiu de uma iniciativa da Venezuela, como uma alternativa a instituições como o Banco Mundial (Bird) e o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).A nova entidade é definida como um braço para o "desenvolvimento" e não pretende ter, de acordo com assessores, um perfil como o do Fundo Monetário Internacional (FMI). Na prática, Brasil, Venezuela e Argentina vão participar com US$ 2,9 bilhões. Equador e Uruguai com US$ 400 milhões, e Paraguai e Bolívia com US$ 100 milhões cada. No entanto, cada país ainda depende de aprovação de seus parlamentos para a liberação destes recursos. Em visita à capital argentina, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, evitou declarações aos jornalistas brasileiros. Numa recepção na embaixada do Brasil, conversou sobre inflação com o ministro argentino da Economia, Carlos Fernández, mas não foram revelados maiores detalhes. O governo argentino tem sido acusado por diferentes setores de maquiar os dados da inflação que, de acordo com consultorias econômicas, estaria em torno de 25% acumulados nos últimos 12 meses, e não em 8% como afirmam as cifras oficiais.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.