Banco Mundial anuncia US$ 1,2 bi para combater crise dos alimentos

Países mais atingidos, como Haiti, receberão ajuda financeira imediata.

Da BBC Brasil, BBC

30 de maio de 2008 | 10h27

O Banco Mundial anunciou nesta quinta-feira que vai liberar ajuda financeira imediata para os países mais duramente atingidos pela alta mundial dos preços dos alimentos, dentro de um pacote de assistência no valor de US$ 1,2 bilhão (R$ 1,9 bilhão).Um total de US$ 200 milhões (R$ 327 milhões) será destinado para países considerados como de "alta prioridade", com maior risco de serem atingidos pela fome.Entre esses países estão o Haiti e a Libéria, que deverão receber US$ 10 milhões (R$ 16,3 milhões) cada, e Djibuti, com US$ 5 milhões (R$ 8,2 milhões).Togo, Iêmen e Tadjiquistão também estão incluídos nesta relação de países mais vulneráveis."Essas iniciativas vão ajudar a combater o risco imediato de fome e desnutrição entre as 2 bilhões de pessoas que lutam para sobreviver em meio ao aumento dos preços dos alimentos", disse o presidente do Banco Mundial, Robert Zoellick."Essa não é uma questão como a de HIV/Aids, que necessita de pesquisas. As pessoas sabem o que fazer", disse Zoellick. "Nós simplesmente precisamos assegurar que tenhamos os recursos e coordenar as operações ao redor do mundo."Os países poderão utilizar os recursos para comprar comida para escolas e outros serviços básicos, assim como para comprar produtos essenciais, como sementes e fertilizantes.Segundo a correspondente da BBC em Washington Kim Ghattas, parte dos recursos poderá ser usada para emergências, como auxílio a mulheres grávidas ou crianças pequenas.O Banco Mundial também deverá liberar US$ 2 bilhões (R$ 3,2 bilhões) no próximo ano para o financiamento de projetos em agricultura, incluindo seguro de lavouras.A alta dos preços dos alimentos será tema de debates entre líderes mundiais nos próximos dias.Um relatório das Nações Unidas afirma que os preços de produtos básicos, como trigo e carne, devem permanecer altos nos próximos anos.Nesta sexta-feira, representantes de 26 países da América Latina e do Caribe se reúnem em Caracas para discutir a crise mundial dos alimentos.De 3 a 5 de junho, uma conferência da FAO (a agência das Nações Unidas para a agricultura e a alimentação) em Roma vai debater o problema.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.