Bancos lideram lucro no terceiro trimestre

Estudo mostra que 23 instituições financeiras de capital aberto lucraram R$ 7,5 bi entre julho e setembro, 20% do ganho total das empresas da Bolsa

Márcia De Chiara, O Estadao de S.Paulo

24 de novembro de 2009 | 00h00

Os bancos foram o setor mais rentável entre as empresas brasileiras de capital aberto no terceiro trimestre deste ano, aponta o estudo da consultoria Economática com base nos balanços divulgados. Entre julho e setembro deste ano, as 23 instituições financeiras tiveram lucro líquido de R$ 7,578 bilhões. Essa cifra corresponde a 20,3% do lucro líquido total de R$ 37,368 bilhões das 314 companhias de capital aberto avaliadas pela consultoria.

"O setor bancário continua no topo", afirma o diretor presidente da consultoria, Fernando Exel. Para ele, esse resultado era esperado porque todos os grandes bancos brasileiros têm ações na Bolsa, o que não ocorre em outros segmentos. Entre os bancos, o maior lucro líquido no período foi alcançado pelo Itaú Unibanco, com R$ 2,268 bilhões ou 6,1% do lucro total das empresas avaliadas. Em seguida está o banco do Brasil, com lucro de R$ 1,978 bilhão e o Bradesco, com R$ 1,811 bilhão.

A vice-liderança em rentabilidade no ranking setorial ficou com as empresas de Petróleo e gás, que somaram um lucro líquido de R$ 7,475 bilhões ou 20% do total. A maior parte desse resultado está no caixa da Petrobrás. Sozinha a empresa obteve lucro líquido de R$ 7,302 bilhões ou 97,7% do lucro total do setor. "A Petrobrás domina o setor de petróleo e gás", observa Exel.Esse gigantismo é nítido quando se avalia outros setores. O lucro obtido pela Petrobrás no terceiro trimestre deste ano quase que equivale ao do setor bancário inteiro (96,4%), formado por 23 instituições financeiras de capital aberto da amostra. A Petrobrás foi a empresa que obteve o maior lucro líquido no período e respondeu por 19,5% do resultado agregado atingido pelas companhias.

Depois da Petrobrás, está a Vale, do setor de mineração, com lucro líquido de R$ 3,003 bilhões na lista das empresas mais rentáveis. A terceira, a quarta e a quinta posições nesse ranking empresarial de lucrativaidade são ocupadas pelo Itaú Unibanco, Banco do Brasil e Bradesco, respectivamente.

No setor de alimentos e bebidas, o sexto maior em rentabilidade (R$ 2,121 bilhões), a Ambev é a empresa mais lucrativa no terceiro trimestre, com resultado líquido de R$ 1,230 bilhão ou 3,3% do lucro total da amostra analisada.

Na siderurgia, o quinto setor mais lucrativo, o destaque é para a CSN que atingiu um resultado de R$ 1,149 bilhão no período. Braskem (R$ 644,7 milhões), Telesp (R$ 600,3 milhões) e Cemig (R$ 567,0) milhões foram as líderes nos setores químico, de telecomunicações e de energia elétrica, respectivamente.

Exel ressalta a grande concentração dos lucros no mundo empresarial. De acordo com a pesquisa, mais da metade do lucro líquido total da amostra (55%) está no caixa de apenas dez companhias.

EFEITO DÓLAR

A pesquisa revela que os setores exportadores, como mineração, siderurgia entre outros, conseguiram lucros significativos apesar do real valorizado. Segundo Exel esse movimento ocorreu em razão o efeito do dólar sobre a dívida das empresas. "Exceto nos bancos, os lucros foram turbinados pelo recuo do dólar." Como a moeda americana caiu 8,9% no período em relação ao real e as empresas têm dívida em dólar, esse movimento do câmbio gerou receita financeira para essas companhia, o que o melhorou os resultados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.