Bandidos invadem casa de rabino em São Paulo

Visitado durante o assalto, o religioso pediu 'socorro' em hebraico; um suspeito foi preso

Ricardo Valota, Agencia Estado

12 de fevereiro de 2008 | 06h04

Um rabino de 67 anos foi rendido, por volta das 21h de segunda-feira, 11, por três bandidos armados, quando chegava em casa, na Rua Haddock Lobo, nos Jardins, zona sul de São Paulo. Ele voltava de uma sinagoga e ficou nas mãos dos criminosos por cerca de 30 minutos. Um dos assaltantes foi preso.   Dois bandidos estavam com revólveres e outro com uma pistola de brinquedo. A vítima teve as mãos amarradas, foi obrigada a ficar com a cabeça abaixada e chegou a levar uma coronhada na nuca. O rabino teria dito aos assaltantes que eles não conseguiriam sair da casa, pois algumas pessoas chegariam para uma reunião naquele horário.   Os criminosos, então, mandaram que o religioso ligasse para os amigos e falasse em português. Ele disse que havia gente em casa e pediu para tirar o carro da frente da residência, senão as pessoas não sairiam.   Depois, ligou novamente, e falou "me ajude" em hebraico. "Achei estranho, pois não nos falamos em português. Liguei para a polícia", disse um comerciante de 34 anos.   Policiais das Rondas Ostensivas com Auxílio de Motocicleta (Rocam) chegaram após três minutos e conseguiram deter um dos assaltantes, que estava de terno e gravata e usava o chapéu da vítima. Quando avistou os policiais, Reinaldo Rodrigues, de 30 anos, largou a mala e a pistola de brinquedo, e começou a caminhar como se nada houvesse ocorrido.   Ele foi revistado pelos policiais, que encontraram US$ 200 na cueca dele. Dentro da mala, estavam um laptop, dois telefones sem-fio, um Nextel, um monitor de LCD, oito relógios de bolso, cerca de 20 talões de cheques, R$ 3 mil, 15 euros, 25 pesos argentinos, 3 mil liras e 20 francos, além de moedas de vários países.   O criminoso ficou preso por 11 anos e era procurado pela Justiça, pois havia sumido há cerca de seis meses, quando ainda cumpria pena em regime semi-aberto. Segundo a polícia, tem passagens por roubo, furto e homicídio. Rodrigues foi levado ao 78º Distrito Policial (Jardins) e autuado em flagrante. Ele teria dito aos policiais que estava trabalhando quando foi chamado para participar do roubo.   Os outros dois assaltantes, que usavam camisas sociais, fugiram de táxi, segundo um amigo da vítima, e levaram dinheiro, cheques e um notebook. Durante o tempo em que ficaram com a vítima, os bandidos teriam dito que um amigo os havia mandado até lá. Há cerca de duas semanas, um motorista que trabalhava havia sete anos para o rabino foi demitido, após tentar roubar dinheiro na casa. A polícia procura pelos outros dois assaltantes e vai investigar o caso.

Tudo o que sabemos sobre:
criminalidadeassaltoJardinsSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.