Barbie abre primeira loja-conceito em Xangai

Por Royston Chan XANGAI (Reuters Life!) - A Barbie inaugurou sua primeira loja-conceito nesta sexta-feira, um prédio de seis andares decorado de rosa numa rua chique de Xangai, com a qual a fabricante de brinquedos Mattel espera reviver o sucesso da boneca cinquentona. As estrelas de cinema Jet Li e Cathy Chung posaram, ao lado de modelos, como Barbies e Kens em tamanho real, enquanto as pessoas se acotovelavam no Xangai Barbie's café e na escadaria em caracol de três andares repleta de bonecas. A loja também servirá de campo de testes para novas estratégias de marketing e serviços, incluindo um centro de design onde visitantes podem criar as suas bonecas. "Estou tão feliz em poder ver tantas bonecas da Barbie. Elas são muito bonitas e nunca tinha visto tantas delas", disse Li Yuqin, de 8 anos, de Xangai. A Mattel, a maior fabricante de brinquedos do mundo, espera que a loja e os conceitos experimentados nela ajudem a Barbie a ganhar força na competição com bonecas mais modernas, videogames e jogos eletrônicos. As vendas da Barbie, marca-conceito da Mattel, têm caído mais rápido que as receitas da empresa, despencando 21 por cento no quarto trimestre em comparação com a queda de 11 por cento nas vendas totais da companhia. "Para onde vamos no futuro é... como vivenciar a marca Barbie. É isso que esta loja é de fato," disse Richard Dickson, vice-presidente responsável pela marca Barbie. Ele afirmou que a China, onde as vendas da Barbie são relativamente pequenas apesar de a marca ser muito reconhecida, foi escolhida para abrigar a primeira loja-conceito em parte por sua grande população e pelo grande mercado em potencial. Outra atração, disse ele, é o possível apelo da Barbie em novas áreas urbanas da China, não apenas pelas meninas, mas também pelas mães. "Muitas mães de hoje na China cresceram conhecendo a Barbie, mas talvez sem poder ter uma boneca da Barbie."

REUTERS

06 de março de 2009 | 17h47

Tudo o que sabemos sobre:
CHINABARBIELOJA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.