BC faz leilão de swap reverso e segura dólar acima de R$2

O leilão de swap cambial reverso realizado pelo Banco Central nesta terça-feira, o primeiro depois de quase cinco meses, reforçou que a autoridade monetária não quer o dólar abaixo de 2 reais e fez a moeda norte-americana a encerrar o dia com leve alta.

DANIELLE FONSECA, Reuters

21 de agosto de 2012 | 18h23

Na avaliação de operadores, a operação --que equivale a uma compra de dólares no mercado futuro-- serviu para reforçar a existência de uma banda informal imposta pelo governo ao câmbio, entre 2 e 2,10 reais. Eles também não descartam novas atuações do BC caso a divisa norte-americana venha a recuar novamente.

O dólar fechou com variação positiva de 0,08 por cento, a 2,0176 reais na venda. Durante a sessão, a moeda atingiu a mínima de 2,0065 reais, com queda de 0,47 por cento, e bateu a máxima de 2,0235 reais, com variação positiva de 0,37 por cento.

"O dólar estava caindo devagar, de escadinha, e esse é um movimento perigoso. O BC viu que a moeda podia cair mais hoje e fez o leilão... O objetivo foi cumprido hoje", disse o operador de câmbio da Interbolsa do Brasil, Ovídio Soares.

Antes de anunciar o leilão de swap cambial reverso, pouco depois das 11h20, o BC realizou uma pesquisa com os "dealers" do mercado de câmbio para conferir se havia demanda.

Somente esse movimento foi suficiente para fazer o dólar reverter as perdas iniciais e passar a registrar alta ante o real. No final, o BC vendeu apenas 7 mil papeis da oferta total de 50 mil contratos e movimentando 350,2 milhões de reais, deixando claro que havia pouca demanda.

A última vez houve uma operação de swap reverso foi em 26 de março, quando o dólar estava cotado próximo de 1,80 real.

O mercado de câmbio vem registrando oscilações modestas e volume fraco desde o início do mês, mas estavam prevalecendo sessões de leve queda, com a moeda voltando a se aproximar de 2 reais. Em agosto, o dólar já se desvalorizou 1,53 por cento ante o real.

Quando a moeda chegou a ser negociada abaixo de 2 reais, no começo de julho, o diretor de Política Monetária do BC, Aldo Mendes, afirmou que tal nível poderia ser prejudicial para a indústria brasileira e que a autoridade monetária poderia intervir comprando dólares se necessário.

Com isso, os operadores entenderam que uma espécie de banda informal para o câmbio havia sido formada. Nesta terça-feira, no entanto, o mercado local passou a acompanhar o cenário externo mais de perto, onde o dólar registrava importantes perdas frente a outras moedas.

Com isso, a expectativa é de que o BC possa agir novamente para evitar que o dólar deslize para abaixo de 2 reais. Para o economista-chefe da BGC Liquidez, Alfredo Barbutti, o BC pode voltar a atuar no mercado.

No exterior, o movimento de perda de força do dólar ocorreu diante de maiores expectativas de que o Banco Central Europeu (BCE) possa agir em breve para conter a crise da zona do euro.

Às 18h01 (horário de Brasília), a moeda norte-americana tinha queda de 0,70 por cento ante uma cesta de divisas.

VENCIMENTOS

Barbutti ainda lembrou que estão para vencer contratos de swap cambial tradicional --que equivalem a uma venda de dólares no mercado futuro-- realizados anteriormente pelo BC. Segundo a assessoria de impressa da autoridade monetária, vencem no dia 3 de setembro 91.400 contratos de swap tradicional, no valor de 4,6 bilhões de dólares.

"Muito provavelmente esses contratos o BC já não deve renovar, fazer a rolagem... Há uma situação confortável para o BC ainda", afirmou o economista-chefe.

Outros profissionais de mercado também veem o BC com força para segurar a moeda. "O Banco Central tem um monte de dinheiro, você não desafia um banco central de 350 bilhões de dólares, ainda mais um que é muito disposto a usar seu poder", disse o estrategista de câmbio da América Latina da 4CAST, Pedro Tuesta, em Washington, referindo-se ao volume das reservas internacionais brasileiras.

O BC não atuava no mercado de câmbio desde 29 de junho, quando realizou leilão de swap cambial tradicional. Naquela época, a divisa ameaçava ultrapassar 2,10 reais.

(Reportagem adicional de Rachel Uranga, na Cidade do México)

Mais conteúdo sobre:
DOLARFECHA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.