BCs voltam a agir, diante de dúvidas sobre pacote dos EUA

Bancos centrais ao redor do mundo voltaram a injetar mais dinheiro nos mercados nesta sexta-feira, para tentar atender a demanda por recursos, cada vez mais raros. O clima dos negócios era marcado pelas incertezas sobre o futuro do acordo de ajuda ao sistema financeiro, que deve voltar a ser discutido nesta sexta-feira em Washington, e o fechamento do Washington Mutual, o maior banco de poupança e empréstimos dos Estados Unidos. Os três maiores bancos centrais da Europa --o Banco da Inglaterra, o Swiss National Bank e o BC europeu-- aumentaram seus esforços para aliviar as pressões sobre o mercado de crédito. O BCE disse que colocaria 35 bilhões de dólares no mercado. O BC britânico prometeu 30 bilhões de dólares, além de recursos extras em libras. O BC da Suíça ofereceu 9 bilhões de dólares. "O mercado está congelado neste momento", afirmou claudio Piron, um estrategista do JP Morgan Chase em Cingapura. Em resposta, o BC europeu afirmou, em comunicado, que "os bancos centrais continuam trabalhando juntos e estão preparados para dar novos passos, se for necessário, para lidar com as contínuas pressões no financiamento dos mercados".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.