Bebê achada em rio de MG continua em estado grave

Menina responde cada vez menos aos medicamentos aplicados pelos médicos

Eduardo Kattah, Agencia Estado

04 de outubro de 2007 | 20h20

A recém-nascida resgatada no último dia 30 do ribeirão Arrudas, na região metropolitana de Belo Horizonte, permanece internada em estado grave e responde menos aos medicamentos, segundo boletim médico divulgado no final da tarde desta quinta-feira, 4. A menina, batizada de Michelle pela equipe médica da Maternidade Municipal de Contagem, foi submetida a uma nova avaliação neurológica, que não constatou qualquer reação à retirada da sedação. Na quarta, os médicos diagnosticaram um "edema cerebral difuso importante". Ela continua na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Neonatal da maternidade e respira com a ajuda de aparelhos. A Polícia Civil colheu hoje novos depoimentos, inclusive da menina Brenda Martins, de nove anos, e de sua mãe, Vaneide Martins dos Santos. Brenda foi a primeira a avistar a garota nas águas poluídas do Arrudas. A princípio, achou que se tratava de uma boneca. A mãe da recém-nascida, Elisabete Cordeiro dos Santos, que confessou ter jogado a filha no ribeirão após tomar abortivos, está presa. A avó do bebê, Maria Cordeiro dos Santos, disse em depoimento que não sabia da gravidez da filha. O delegado responsável pelo inquérito, Anderson Pires Bahia, pediu exame de sanidade mental de Elisabete para comprovar se ela passou por um processo de depressão pós-parto. Nesse caso, o indiciamento por tentativa de homicídio pode ser substituído por infanticídio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.