Bebida de cowboy

Jack ou Jim? Para os puristas, uísque americano nem é uísque. Para os fãs, esses spirits são parte da alma dos EUA. Bem-vindos à terra de Jasper Newton 'Jack' Daniel

Leandro Modé,

03 de dezembro de 2009 | 11h10

Já trocou o kilt pela calça jeans com camisa xadrez e a gaita de fole pelo banjo? Então você está pronto para embarcar na rota do whiskey – o uísque americano – , como fez o Paladar, que percorreu o belo trajeto e visitou seis destilarias. Da histórica George Washington, localizada no célebre Mount Vernon, à elegante Woodford Reserve, a American Whiskey Trail é fértil em paisagens bucólicas, aromas surpreendentes e, claro, muita bebida destilada – spirit, como é chamada nos EUA. Veja também:Tem gosto de uísque e é feito como uísque. Então é uísqueReceitas de drinks Stiletto Manhattan Bourbon Mirand BLTAtualmente, só são fabricados dois tennessee whiskeys – além do Jack Daniel’s, há apenas o George Dickel. Entre os bourbons, a lista é mais extensa. Inclui, entre outras casas, a Maker’s Mark, Woodford Reserve e Jim Bean. As três ficam no Estado do Kentucky.Como o nome diz, o uísque do Tennessee é feito no Estado localizado no sudeste do país. O bourbon é fabricado, principalmente, no vizinho Kentucky. Não confunda os dois – os americanos ficam bravíssimos. O mais famoso representante do Tennessee é, obviamente, o Jack Daniel’s, uísque americano mais vendido no mundo no ano passado. Entre os bourbons o destaque é o Jim Beam, primeiro colocado em vendas desse tipo de destilado.O roteiro começou pela destilaria George Washington, localizada a cerca de 30 minutos da capital americana. Fundada pelo primeiro presidente do país em 1897, foi reconstruída em 2003, após intenso trabalho arqueológico. Hoje, opera de forma artesanal sem produção comercial e o whiskey só sai de seus barris em ocasiões especiais, como na visita do príncipe britânico Andrew, em 2006. Durante a visita descobre-se que George Washington era mais do que um bravo militar, responsável direto pela expulsão dos ingleses e consequente consolidação da independência dos Estados Unidos. Foi um homem com visão empresarial. A fazenda em que vivia (na época, ainda não existia a Casa Branca) produzia grãos e whiskey. Nas imediações de Nashville, a capital do country americano, no Tennessee, há duas paradas obrigatórias. A primeira é a Destilaria George Dickel, situada em Cascade Hollow. Gramados bem cuidados, riacho de águas cristalinas, vacas dignas de propaganda de chocolate suíço e montes de fenos estocados recepcionam o visitante. Ali aprende-se logo que o processo de fabricação de um uísque começa pela escolha dos grãos – na maioria dos whiskeys americanos, milho, centeio e cevada maltada. Triturados e mesclados à água mineral, esses grãos resultam no mosto. Depois de fermentar por alguns dias, o líquido passa pela destilação. São duas etapas, que fazem com que o teor alcoólico atinja 60% na primeira etapa e 45% na segunda. Em seguida, o destilado é depositado em barris com carvão de maple. É o processo conhecido como charcoal mellowing, que diferencia o tennessee whiskey do bourbon. Depois vai para o barril de carvalho, onde envelhece por três anos, no mínimo.Ainda no Tennessee estão as instalações do mais famoso (e vendido) whiskey americano: o Jack Daniel’s. Além do cenário clássico nesse ramo (muito verde, riacho de águas limpas e referências à existência centenária), as instalações da Jack Daniel’s chamam a atenção pelo porte. Enormes galpões e chaminés compõem o panorama.Depois do Tennessee, a Rota do Whiskey ingressa no Kentucky, terra de búfalos, de Muhammad Ali, do frango frito KFC e, claro, dos bourbons. Lá, a primeira parada é a destilaria Woodford Reserve, que produz um bourbon premium, de sabor suave. "O clima e o barril de carvalho são a chave do nosso processo", afirma o mestre destilador, Chris Morris.Destilaria criada em 1840, a Maker’s Mark é a mais antiga do país ainda em funcionamento. Ali o ambiente é de devoção à família do fundador, Robert Samuels, e há até reprodução da cozinha da família (com aroma artificial de cookie). A visita prossegue até os tanques de fermentação, a destilaria e o armazém de envelhecimento. Outra destilaria nessa rota é a Jim Beam, maior fabricante de bourbon do mundo. É a que mais se assemelha a uma planta industrial. O visitante enfrenta prédios grandes e a proibição de entrar na maioria das instalações. Ali o maior atrativo atual é o Red Stag, o mais novo uísque criado pela companhia, com a infusão de cerejas pretas. O sabor é adocicado. Embora executivos da Jim Beam neguem, parece destinado a agradar às mulheres e aos jovens. Por ora, não há previsão de venda no Brasil. O repórter viajou a convite da Associação de Bebidas Destiladas dos Estados Unidos O DUELO DE JACK E JIMAmbos são uísques americanos. Ambos são fabricados em belas e tradicionais destilarias do país. E ambos são líderes de mercado. Mas uma diferença no processo produtivo diferencia o bourbon do tennessee whiskey. É a etapa chamada de charcoal mellowing, ou filtragem no carvão de maple, aquela árvore comum no Hemisfério Norte, celebrizada na bandeira do Canadá (e de onde se extrai o maple syrup para comer com as panquecas). Essa filtragem foi inventada há quase 140 anos por Jasper Newton "Jack" Daniel, o lendário fundador da destilaria homônima. Por isso, também é conhecido como processo Lincoln County, em referência ao local onde está situada a destilaria. Para um apreciador de uísque ocasional, a diferença é imperceptível. Mas, para os especialistas, a filtragem deixa o tennessee whiskey mais suave do que o bourbon. Quer dizer: o Jack é mais delicado que o Jim.    Woodford Reserve | Ali se produz apenas um bourbon batizado com o nome da destilaria, com teor alcoólico de 45%. Sabor encorpado, picante (por causa do centeio), com retrogosto agradável. As instalações podem ser visitadas. Informações no site http://www.woodfordreserve.com/. Maker’s Mark | Fundada em 1840, é a mais antiga destilaria em funcionamento. Produz um bourbon de sabor suave e menos picante que os demais porque leva trigo em sua composição. A destilaria está aberta à visita: http://www.makersmark.com/. Jim Beam | Esse galpão da foto é apenas uma loja recém-construída que imita um armazém antigo decorado com as cores da marca, o preto e o vermelho. De todas as destilarias da região, a do Jim Beam é a que mais se assemelha a uma planta industrial típica. Prédios grandes e distantes uns dos outros dificultam a visita. Além disso a entrada é vetada em muitos lugares da destilaria. http://www.jimbeam.com/. George Dieckel | Fundada em 1870, foi vendida para a gigante Diageo nos anos 1980. Produz quatro tipos de whisky (sem ‘e’, pois Dickel achava que seu uísque era tão bom que deveria ser grafado como os escoceses): George Dickel Old N.º 8 Brand, Superior N.º 12 Brand, Barrel Select e Cascade Hollow – o mais tradicional, suave e de final longo. http://www.dickel.com.br/.     Jack Daniel's | A destilaria produziu 2,4 milhões de caixas de uísque em 2007, vendidas nos EUA e em mais de 120 países, entre eles o Brasil. Entre as histórias contadas ali está a da morte do fundador: Jack tinha um cofre e não sabia abri-lo, quem o fazia era o sobrinho. Um dia o sobrinho não estava, Jack tentou abrir, não conseguiu e de raiva, chutou o cofre. "A ferida não foi cuidada, evoluiu e acabou matando-o", relata o guia. http://www.jackdaniels.com/.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.