Beleza feminina influencia escolhas de homens e mulheres

As mulheres mostram consciência do valor da própria atratividade, e ajustam suas expectativas de acordo

Associated Press,

03 de setembro de 2007 | 20h07

A descoberta de que, quando têm a opção de escolher, homens preferem as mulheres mais atraentes pode não surpreender ninguém, mas estudo realizado na Alemanha sugere que, além disso, cada mulher tem uma boa idéia da qualidade de homem que é capaz de atrair - e não aceita ficar com menos.   Pesquisadores chefiados por Peter M. Todd, da Universidade de Indiana, concluíram que seres humanos são muito parecidos com os demais mamíferos, "seguindo o princípio de fêmeas exigentes e machos competitivos, mesmo que as pessoas digam coisas diferentes", afirma Todd.   O estudo envolveu 26 homens e 20 mulheres em Munique, na Alemanha. Os voluntários, com idades entre 26 e 40 anos, tomaram parte em "encontros rápidos", reuniões curtas de três a sete minutos. Depois, os participantes anotam quem gostariam de reencontrar.   Além disso, cada participante preencheu um questionário antes do início das sessões, dizendo que gostariam de ter num parceiro ou parceira, incluindo categorias como status social, riqueza, comprometimento com a família, saúde e atratividade.   Após cada sessão, os pesquisadores compararam o que havia sido declarado nos questionários com os parceiros efetivamente escolhidos.   Os cientistas determinaram que os homens diziam uma coisa nos questionários mas, ao fazer a escolha, o fator determinante era a atratividade física da mulher. Os homens também se saíram muito menos exigentes: eles escolheram praticamente todas as mulheres acima de um limite mínimo de beleza.   As escolhas efetivas das mulheres também não refletiram as respostas ao questionário, mas a pesquisa mostrou que elas discriminam muito mais. Os cientistas disseram que as mulheres mostraram consciência do valor da própria atratividade, e ajustavam suas expectativas de acordo.   "As mulheres fizeram ofertas aos homens que tinham qualidades à altura da atratividade que cada mulher acreditava ter. Elas não atiraram muito acima da própria atratividade", disse Todd, "porque parte da meta das mulheres é escolher homens que ficarão com elas".   Mas, acrescenta ele, "elas não se rebaixavam. Elas sabiam o que podiam pegar e miravam nesse nível", o que faz com que a beleza feminina afete as escolhas não só dos homens, mas também das próprias mulheres. O trabalho está publicado na edição desta terça-feira de Proceedings of the National Academy of Sciences.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.