Belgas cruzarão Ártico a pé para reunir dados sobre clima

Dois exploradores belgas iniciarão, no dia 1º de março, a maior expedição já realizada pelo Ártico: percorrerão a pé mais de 4.300 quilômetros, a fim de reunir dados científicos que mostrem os efeitos da mudança climática. Alain Hubert e Dixie Dansercoer partirão do cabo Arkishewski, na costa da Sibéria, ao norte da Rússia, em direção a Narssarssuaq, ao sul da Groenlândia, em uma viagem que deverá durar quatro meses, com apenas duas paradas previstas para reabastecimento.A rota traçada é pelo menos 2.600 quilômetros mais longa que as grandes travessias árticas concluídas até hoje. Hubert e Dansercoer usarão esquis para se locomover sobre as terras geladas e terão a ajuda de ?pipas? originalmente desenvolvidas pelo programa Apollo, da Nasa, para aproveitar os fortes ventos da região e aumentar sua velocidade.Equipamento Além dos ventos e de temperaturas de até 30 graus negativos, os exploradores terão que suportar a carga de 120 quilos de comida e equipamentos, que cada um transportará sobre um trenó de 2,4 metros.O equipamento está planejado para ajudar os exploradores caso sejam surpreendidos por um derretimento da capa de gelo polar.?Há um ponto crítico no fim do oceano, logo antes de chegar à capa de gelo da Groenlândia. Não tenho idéia do que encontraremos ali?, explica Hubert. ?Mas nossos trenós são bastante longos. Se for o caso, poderemos amarrá-los juntos e fazer uma espécie de catamarã.?Ano PolarO começo da expedição Arco Ártico coincide com o início do Ano Polar Internacional, que será marcado por uma série de projetos sobre as regiões polares.Entre outras tarefas, os belgas fornecerão medidas da capa de gelo para a Agência Espacial Européia. Os exploradores também querem despertar a consciência de jovens entre oito e 18 anos para as conseqüências das mudanças climáticas. Para isso, estudantes de 40 países poderão seguir a evolução dos exploradores por meio da página web da Fundação Polar Internacional.

Agencia Estado,

16 de fevereiro de 2007 | 17h44

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.