Belo horizonte

Voltado para as montanhas de Nova Lima, em Minas Gerais, dúplex projetado e decorado por Cláudia Costa valoriza a paisagem com grandes janelas e móveis de design

Marisa Vieira da Costa / REPORTAGEM,

30 de janeiro de 2011 | 10h00

 

 

O plano de deixar o apartamento de 140 m² sem área de lazer, na cidade, e criar as duas filhas - uma de 12 e outra de 8 anos - mais perto da natureza já rondava a cabeça de um jovem casal de Belo Horizonte quando uma grande incorporadora lançou, em 2006, um condomínio de alto padrão em Nova Lima, município da região metropolitana da capital mineira. O anúncio era sedutor: o conjunto de seis prédios, de poucos andares, ficava incrustado no Vale dos Cristais, uma região de 6,5 milhões de m², dentro de uma reserva natural protegida, e o projeto arquitetônico levava a assinatura de Gustavo Penna, um dos mais conceituados profissionais mineiros.

 

"Eles fecharam o negócio já no início das vendas. E compraram dois apartamentos", conta a arquiteta Cláudia Costa, contratada para projetar e decorar o dúplex de 500 m². Com a vantagem de ter sido um dos primeiros compradores, o casal pôde escolher o edifício com a melhor localização dentro do condomínio. "Eles desfrutam de uma vista maravilhosa, de praticamente todos os ambientes do apartamento", diz Cláudia, que começou a trabalhar no projeto assim que ficou pronta a estrutura do imóvel. "Foi bom, porque pude acompanhar de perto a execução de todos os detalhes: da alvenaria aos projetos elétrico e hidráulico, dos acabamentos de banheiros à cozinha, tudo nesse apartamento foi pensando com antecedência."

 

Cláudia conta que marido e mulher são empresários. Ela trabalha no ramo de ar-condicionado e ele no de celulares. "Os dois são superexigentes", diz a arquiteta. "Ele é do tipo que fica cercado por três laptops e cinco celulares, tudo ao mesmo tempo. Por isso, comandou comigo e os técnicos toda a automação do apartamento: do ar-condicionado aos sistemas de luz, som e câmeras."

 

Como novas construções no local estão proibidas, o casal desfruta de uma vista definitiva para o verde.

 

Vista que eles adoram compartilhar com os amigos nas diversas reuniões e festinhas que promovem na espaçosa varanda gourmet. Emoldurado pelas montanhas, o ambiente está situado no primeiro piso, onde também ficam o living de pé-direito duplo, a sala de jantar, a espaçosa cozinha, a área de serviço, a adega, um quarto de brincar para as meninas, o home theater e um lavabo.

 

No andar superior há um escritório, uma sala de estudos, um quarto de hóspedes (que no projeto original era uma biblioteca), o dormitório das meninas e a suíte master - todos avarandados. Cada filha tem seu próprio closet e banheiro. O casal, um só closet e dois lavabos. O pavimento conta também com uma pequena copa.

 

A varanda é aberta e tem um guarda-corpo de vidro que acompanha o recorte da fachada. Cláudia escolheu materiais resistentes às intempéries, como aço inox para a churrasqueira, a coifa e o bar. Na bancada, usou mármore crema marfil e, no piso, travertino bruto.

 

Para garantir o bem-estar dos nos dias de churrasco, a coifa instalada na varanda é especial para áreas externas e dispõe de um sensor de calor que faz aumentar a potência do motor à medida que as temperaturas se elevam. Os confortos se estendem ao bar, dotado de pia com grelha para lavar frutas e balde com dreno para o gelo.

 

Na cozinha, Cláudia mandou instalar uma gaveta de aquecimento, que mantém os alimentos quentes por mais de três horas. O equipamento também pode ser utilizada para fazer crescer massas e descongelar alimentos. E criou uma solução para não isolar o cozinheiro dos comensais em dias de petit comitê: posicionou um balcão com banquetas altas bem em frente à ilha central, onde está o cooktop.

 

A arquiteta buscou sobriedade na paleta de cores para todo o dúplex. Além do aço inox e do crema marfil, deu preferência à madeira teca para o revestimento de paredes. A cozinha ganhou charme com a cerâmica decorada da artista Andrea Gomes.

 

Nos sofás e cortinas, preto, cinza, cru e berinjela. Os móveis - como a poltrona Donna, de Gaetano Pesce, e as mesinhas Fat Fat, de Patrícia Urquiola - são, em sua maioria, italianos. "É um apartamento sem excessos, com unidade entre arquitetura e decoração", conclui Cláudia.

Tudo o que sabemos sobre:
CasaBelo HorizonteCláudia Costa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.